Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Petição: Wikipédia quer ser Património da Humanidade

Se a Unesco aceitar, será a primeira vez que um site - uma realidade do mundo digital - alcançará tal distinção. Se concorda, assine a petição online.

Será possível considerar um site, ainda que seja um dos dez maiores da Internet, como Património da Humanidade? Jimmy Wales, fundador Wikipédia acredita que sim, e vai promover a candidatura da maior enciclopédia online do mundo junto da Unesco.

Caso venha a ser aceite será o primeiro site - uma realidade do mundo digital - a figurar na lista onde constam monumentos como a Grande Muralha da China ou a Estátua da Liberdade.

Em declarações ao "El País" o diretor da Wikipédia em Espanha, Jorge Sierra, diz que "será um processo demorado, porque antes de conseguir apresentar a candidatura, será preciso estender o conceito de Património da Humanidade. A Unesco terá de estar recetiva a reconhecer um espaço digital."

Atualmente, apenas poderão ser distinguidos como Património da Humanidade espaços físicos, naturais ou culturais, lembra ainda ao "El País" Lucía Iglésias da Unesco.

"Para já, não se considera que um bem intangível possa formar parte do património mundial", explicou, acrescentando; "Para este tipo de iniciativas existem outras categorias, como o Património Imaterial da Humanidade que protege, precisamente, as criações que não são, nem montanhas, nem edifícios, nem monumentos, nem florestas".

Não vai ser fácil

Ainda de acordo com a convenção para a Proteção do Património Natural e Cultural, de 1972, só serão aceites candidaturas por estados-membros da Unesco. Ou seja, para que a Unesco aceite analisar uma eventual candidatura da Wikipédia, esta terá sempre de ser apresentada por um ou vários países membros Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura.

"Terão de ser as autoridades do país onde o bem se encontra localizado a tomar a iniciativa. Tratando-se de um espaço partilhado por vários Estados, estes deverão apresentar uma candidatura conjunta. Os governos costumam analisá-las ao pormenor, mas ainda assim, em muitos casos, é possível que as petições populares sejam escutadas", lembra Lucía Iglésias ao "El País".

Conscientes das dificuldades, Jimmy Wales, decidiu pedir ajuda à opinião pública, lançando hoje mesmo uma campanha mundial, sendo já possível assinar uma petição online.

Até fevereiro de 2012, data limite para a submissão de novas candidaturas, Wales deverá ainda convencer o governo alemão, onde existe uma das comunidades mais ativas desta enciclopédia editada pelos internautas, a avançar com o processo.