Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Pedro Abrunhosa reage a texto de Henrique Monteiro

Veja a reação do músico portuense relativamente a um texto publicado por Henrique Monteiro no seu blogue.

Recebemos, de Pedro Abrunhosa, o seguinte texto com pedido de publicação ao abrigo do Direito de Resposta, relativamente a uma crónica publicada a 31 de janeiro passado:



"Não esperaria de Henrique Monteiro, cronista do Expresso, outra reacção à minha intervenção sobre a repercussão nefasta que a falta de investimento público produz na economia em áreas axiomáticas como Saúde, Justiça, Educação, Investigação e Cultura, do que aquela que teve em artigo recente que me dedica, revelando surpreendente desconhecimento no que afirma.

 

Afirmei que a democracia foi tomada de assalto por interesses financeiros privados, aos quais são alheias as vontades e necessidades básicas das populações. Aleguei que, pelo crescente transvase biunívoco entre governantes e altos dirigentes de grupos ligados à banca, o 'capital' tinha deixado de necessitar do processo democrático para fazer vingar uma agenda não política, não ideológica, mas apenas financeira. Se se apresentassem a votos em vez de partidos, as agências de rating, o BCE,  ou administradores de multinacionais, instituições que efectivamente governam sem este sufrágio, certamente os eleitores europeus pensariam duas vezes antes de os eleger. Ou  aumentaria ainda mais a já assustadora abstenção que decorre deste divórcio entre eleitores e 'coisa eleita', abstenção, em si também, uma séria ameaça ao sistema democrático.

 

Como no caso de algumas democracias islâmicas, onde há uma total submissão ao poder eclesiástico e religioso, as democracias ocidentais sucumbiram a outras forças maiores que transformaram os avanços civilizacionais do pós-guerra, para todos, em propriedade de muito poucos: o capital, o lucro, a ganância.  A democracia existe, é um facto, mas atropelada por esta selvagem verdade: 'de um homem, um voto, passámos a um dólar, um voto'. Ainda segundo Joseph Stiglitz, no seu livro 'O Preço da Desigualdade': 'A seguir à Segunda Guerra Mundial, o FMI passou a ser o instrumento eleitoral a que os países entregavam na realidade a soberania'. E prossegue: 'Os mercados financeiros conseguem o que querem. Podem existir eleições livres, porém, do modo como são apresentadas aos eleitores, não existe uma verdadeira escolha nas questões que realmente lhes interessam, as questões da economia.'

 

Também o Nobel e Economista, Paul Krugmam, afirmou, e cito: 'Nos anos 70  iniciou-se o processo de globalização, que em vez de beneficiar todas as nações, tendeu a produzir ganhos para alguns à custa de outros. A visão geral era que a integração dos mercados mundiais produziam 'desenvolvimento desigual', um aumento nos padrões de vida das nações ricas à custa das pobres'.

 

Já no seu livro, 'O Fim Da Pobreza', o professor Jeffrey Sachs, maior especialista mundial na área, defende que os investimentos prioritários devem ser nas áreas da agricultura, sendo proposto que se subsidiem os preços de fertilizantes e sementes, saúde pública, como a construção de clínicas que permitam a prestação de cuidados médicos e distribuição de medicamentos a baixo custo, educação, através da construção de escolas e do fornecimento de refeições às crianças com o objectivo de promover a assiduidade, combater o abandono escolar e melhorar os resultados dos alunos, água potável, saneamento básico, transportes e comunicações. Não creio que alguma destas realidades esteja na agenda das democracias vigentes da forma que são tuteladas.

 

HM chama-me simplista. Neste meu 'simplismo', não estou nada mal acompanhado, como se vê. Já o mesmo não posso afirmar das actuais companhias ideológicas de HM, e das antigas tão pouco.

 

Enquanto Músico, tenho andado pelo mundo, conhecido o chão de muita gente. Mas sobretudo tenho cruzado ano após ano o chão do meu País. Sei da sua frágil situação porque estou na estrada quase ininterruptamente há mais de vinte cinco anos. O País que eu conheço tem fome, tem necessidade de Paz social, de Justiça célere, de um Sistema Nacional de Saúde humano, omnipresente, de um sistema de ensino de qualidade e gratuito, de creches, centros de dia, tem necessidade de Bondade, de não deixar morrer os seus na solidão mais triste. O País que eu conheço não é o país que HM conhece, mas sim aquele que ele, no confortozinho do seu gabinete, desconhece. Portugal precisa de uma democracia a sério, participada e esclarecida, de reformar os seus agentes políticos, as suas políticas, as suas falsas elites,  mas também alguns dos seus arautos, sobretudo os que nunca souberam vencer o complexo maoísta, como HM, que entrou no pequeno livrinho vermelho do qual, lamentavelmente, nao conseguiu ainda sair cabalmente sem ter que afirmar estas banalidades simétricas como se expurgasse de dentro um arrependimento qualquer."