Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Morreu o padre Luís Kondor (1928-2009)

Morreu o vice-postulador da Causa da Canonização dos Pastorinhos de Fátima. Luís Kondor tinha 81 anos. O funeral realiza-se sexta-feira, a partir das 11h, na basílica do santuário, de onde seguirá para o cemitério local.

Maria Luiza Rolim (www.expresso.pt)

Em 2000, com o apoio do cardeal Meisner de Colónia, Alemanha, o padre Luís Kondor conseguiu que o Papa João Paulo II se deslocasse a Fátima, a 13 de Maio, para beatificar os videntes, mesmo depois de já ter sido anunciada publicamente a cerimónia em Roma.

O site oficial do Santuário de Fátima presta-lhe homenagem e deseja que "descanse em paz".

Nascido na Hungria em 1928, terminou o liceu em 1944, já depois da entrada dos russos na Húngria. Aos 18 anos, entra na Congregação do Verbo Divino. Fez os primeiros votos em 1948, tendo começado os estudos de filosofia ainda no seu país.

Por decisão do seu superior, em 1949 fugiu para a Áustria, país que viria também a ser invadido pelos russos, depois saiu para a Alemanha, onde foi ordenado presbítero em 1953, em St. Augustin.

Um ano depois, foi enviado para Fátima e nomeado vice-prefeito do Seminário Verbo Divino.

Encontros com a irmã Lúcia

Em 1956, encontrou-se pela primeira vez com a irmã Lúcia, acção que repetiu por diversas vezes ao longo de muitos anos já na qualidade de vice-postulador, cargo para o qual foi nomeado em 1960.

A partir de 1959, começou a publicar um boletim em sete línguas destinado a tornar conhecida a vida dos videntes Francisco e Jacinta Marto e a relatar o andamento dos respectivos processos de beatificação.

"Para divulgação da fama de santidade dos pastorinhos, o bispo da diocese confiou-lhe a edição do livro 'Memórias da Irmã Lúcia', que fez traduzir em diversas línguas e enviou para todos os continentes", revela o vigário-geral da diocese, padre Jorge Guarda.

Dedicou-se ainda, entre outras obras, à construção do Monumento dos Valinhos, à Via-Sacra e Capela do Calvário, em Fátima, do Seminário Diocesano e do Paço Episcopal de Leiria e dos Colégios São Miguel (Fátima) e da Marinha Grande.

Distinguido com Ordem de Comendador

Durante muitos anos, colaborou como intermediário entre instituições da Igreja alemã e obras nas dioceses portuguesas, das quais se destacam a reconstrução de várias igrejas nos Açores, após o sismo de 01 de Janeiro de 1980.

Homenageado pela "Fundação Ajuda à Igreja que Sofre" em Março de 2004, em comemoração dos seus 50 anos de padre e de presença em Portugal, viria a receber, em Janeiro de 2006, a insígnia da Ordem de Comendador, atribuída pelo Presidente da República Jorge Sampaio.

Morreu hoje, dia 28, na sua casa em Fátima, de cancro.