Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Sindicato dos Funcionários Judiciais marca greve nacional para janeiro

JOÃO RELVAS/LUSA

Cerca de duas centenas de funcionários judiciais estiveram novamente concentrados esta quinta-feira no Campus de Justiça, em Lisboa

O Sindicato dos Funcionários Judiciais (SFJ) agendou uma greve nacional de uma semana para janeiro, continuando a lutar pela renegociação do estatuto profissional, por promoções e pelo pagamento do trabalho suplementar.

Cerca de duas centenas de funcionários judiciais concentraram-se novamente esta quinta-feira no Campus de Justiça, em Lisboa, gritando palavras de ordem como "Costa, escuta, os oficiais de justiça estão em luta", alguns envergando camisolas pretas onde se lia "justiça para quem trabalha nela".

O sindicalista António Albuquerque disse aos jornalistas que, devido à greve parcial - das 9h às 11h da manhã - dos funcionários, vários tribunais do Campus estavam parados e dezenas de diligências foram adiadas.

"Queremos que a nossa carreira tenha um reconhecimento justo através de um estatuto digno", disse António Albuquerque, lembrando que "o oficial de justiça sustenta o sistema de justiça".

O Ministério da Justiça marcou uma nova reunião com o sindicato para dia 11 e ficou de entregar antes um documento visado pelas finanças.

"Isto revela também a forma como o Ministério da Justiça depende a 100% das Finanças e um ministério que regula e sistema o pleno funcionamento de um órgão de soberania como são os tribunais estar manietado e controlado pelo Ministério das Finanças é gravoso", referiu o sindicalista, lembrando que decorrem várias greves no sector que "não foram concertadas".

"O Ministério da Justiça tem sido um parente pobre para todos os governos", acrescentou.

Após um conjunto de greves parciais de duas horas diárias que decorre desde 5 de novembro e termina a 31 de dezembro, está marcada para janeiro uma greve nacional durante uma semana.

Para sexta-feira está marcada uma greve para toda a comarca de Lisboa.

Além de um estatuto que reconheça a complexidade funcional do que os oficiais de justiça fazem, o sindicato exige também o preenchimento de 1400 vagas e o preenchimento das 750 promoções que faltam.

Atualmente, no setor da justiça, decorrem greves dos juízes, guardas prisionais e funcionários judiciais.

  • Funcionários judiciais: “Sem nós a justiça não funciona”

    Os funcionários judiciais cumprem mais uma etapa da greve parcial para exigir a revisão do estatuto profissional e melhores condições de trabalho. Esta manhã concentraram-se no Campus da Justiça, em Lisboa. A greve parcial dura até ao final do ano, mas há ameaças de uma paralisação total em janeiro

  • Greve dos funcionários judiciais com 85% a 100% de adesão

    Os funcionários judiciais continuam em greve. A paralisação parcial arrancou há um mês, prolonga-se até ao final do ano e tem feito adiar as diligências nos tribunais de todo o país. Esta manhã, os grevistas estiveram concentrados no Campus da Justiça, em Lisboa, e também junto ao Palácio da Justiça no Porto. O protesto é pela revisão do estatuto e pela admissão de mais funcionários. O sindicato garante que esta quinta-feira os níveis de adesão à greve se situam entre os 85% e os 100%