Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Greve de juízes adia mais de 200 julgamentos e diligências

Greve abrangeu nesta quarta-feira os juízos centrais e locais criminais, os juízos centrais de competência mista (cível e criminal) e o Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto

Mais de 200 julgamentos e diligências foram nesta quarta-feira adiados, no oitavo dia de greve dos juízes, que teve uma adesão de 71% nos tribunais de primeira instância, informou a Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP), que convocou a paralisação.

A greve abrangeu hoje os juízos centrais e locais criminais, os juízos centrais de competência mista (cível e criminal) e o Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto, e levou ao "adiamento de 203 julgamentos e diligências, com largas centenas de intervenientes", indicou a ASJP num balanço atualizado da paralisação.

Segundo a ASJP, a adesão à greve variou entre os 77% e os 100% nos juízos locais criminais, entre os 72% e os 100% nos juízos centrais criminais e entre os 80% e os 100% nos juízos centrais de competência mista. No Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto a adesão foi de 20%.

O ciclo de greves dos juízes, que começou em 20 de novembro e termina em outubro de 2019, compreendendo 21 dias intercalados, tem vindo a desenvolver-se por áreas judiciais. A paralisação surge em protesto contra a aprovação de um estatuto "incompleto", que os juízes alegam não assegurar questões remuneratórias, o aprofundamento da independência judicial e não ultrapassarem os bloqueios na carreira.