Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

“Deixa arder”: bombeiros travados por bombeiros e polícias à porta do MAI

Bombeiros profissionais derrubaram grades de segurança na Praça do Comércio em protesto contra salários mínimos para os novos profissionais. Sindicatos advertem Governo que sapadores vão passar ser os profissionais mais mal pagos da função pública

Bombeiros profissionais, concentrados esta segunda-feira em Lisboa, derrubaram as grades de segurança em plena Praça do Comércio e deslocaram-se para junto da porta do Ministério da Administração Interna (MAI). Ao som de sirenes e a gritar “deixa arder”, os bombeiros foram travados junto da porta do MAI por outros bombeiros e por policias.

Este momento de tensão aconteceu quando uma delegação dos sindicatos tinha ido entregar ao MAI uma resolução aprovada durante a concentração. A presença policial foi entretanto reforçada junto no local, onde centenas de bombeiros profissionais protestam contra as propostas do Governo que regulam o estatuto e o regime de aposentações da classe.

A concentração, que começou cerca das 14h30, foi convocada pelo Sindicato dos Trabalhadores do Município de Lisboa (STML) e pelo Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local (STAL), a que se juntam a Associação Nacional dos Bombeiros Profissionais (ANBP) e o Sindicato Nacional dos Bombeiros Profissionais (SNBP).

Em causa está o novo estatuto profissional que regula a carreira especial de sapador bombeiro e de oficial sapador, aprovada na generalidade pelo Governo a 25 de outubro. Os sindicatos contestam a proposta apresentada pelo Governo, que reduz salários, passando os bombeiros sapadores a ter uma remuneração de início de carreira igual ao salário mínimo nacional.

“Os bombeiros profissionais vão passar a ser os trabalhadores da função pública mais mal pagos”, disse, perante os manifestantes, António Pascoal, delegado sindical dos Sapadores de Lisboa no STML. Vestidos com os uniformes de bombeiro, estes profissionais exibem cartazes em que se lê “Bombeiros dizem não ao Governo por carreiras e aposentações dignas”, além de se manifestarem de forma ruidosa, com buzinas.