Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Câmara do Porto vai pagar 10 carros à PSP com receita da taxa turística

d.r.

Nas celebrações dos 80 anos da Polícia Municipal do Porto, Rui Moreira anunciou que a autarquia está disponível para financiar uma dezena de viaturas elétricas ou de baixo teor de emissões para mitigar os problemas de segurança provocados pelo acréscimo de pessoas na cidade

Lusa

A Câmara do Porto anunciou nesta segunda-feira que está disponível para usar parte da receita da taxa turística para fornecer à PSP “meios que lhe têm faltado”, pelo que vai propor à tutela a entrega de dez viaturas. “A Câmara do Porto está disponível para usar parte dessa receita para fornecer à PSP meios que lhe têm faltado para tornar mais eficaz o patrulhamento da cidade. Ou seja, iremos propor à tutela a entrega de dez viaturas que irão colmatar uma carência que existe nos meios da PSP”, afirmou o presidente da autarquia, Rui Moreira, nas comemorações dos 80 anos da Polícia Municipal do Porto.

Segundo o autarca independente, “serão viaturas elétricas ou de baixo teor de emissões, que permitirão mitigar os problemas de segurança que o número acrescido de pessoas provoca na cidade”. Com este gesto, Rui Moreira espera da tutela um esforço equivalente através do incremento de meios humanos.

“O gesto que aqui anuncio hoje, da nossa disponibilidade de ajudar a PSP através da taxa turística, terá, seguramente, da parte da tutela acolhimento e equivalente esforço através do incremento de meios humanos que todos reconhecemos serem necessários”, defendeu.

O autarca lembrou que, numa altura em que a cidade se regenera de forma acelerada, quer do ponto de vista físico quer cultural e social, a segurança e a fiscalização são “absolutamente fulcrais”, pelo que a autarquia, “não tendo competências diretas em matéria de segurança pública, tudo tem feito para ajudar a competência do Estado central nesta matéria”.

“Cumprindo um antigo desígnio de Porto e Lisboa, a Câmara do Porto participou ativamente no grupo de trabalho que permitiu a regularização legal das Polícias Municipais das duas cidades, através da produção do Decreto Lei 13/2017, que viabiliza a assinatura do contrato interadministrativo que, ainda este ano, iremos assinar com a tutela e que será apresentado ao executivo e Assembleia Municipal nas próximas semanas”, acrescentou.

Rui Moreira destacou ainda o aumento da dotação orçamental do município para a Proteção Civil e para a Polícia Municipal, onde a aposta mais do que duplicou. No final da cerimónia comemorativa dos 80 anos daquela polícia, que decorreu no Palácio de Cristal, no Porto, a secretária de Estado Adjunta e da Administração Interna, Isabel Oneto, sublinhou a importância desta colaboração no reforço de meios da Polícia de Segurança Pública.

“Esta colaboração e este apoio é sempre muito bem-vindo. Como se sabe, nós estamos no processo aquisitivo de viaturas, mas se a polícia puder dispor de mais com certeza que todos ficaremos a ganhar”, afirmou. Segundo a governante, para além da aquisição de viaturas, num total de 2.200 a distribuir pela PSP e GNR, o Governo está ainda a fazer investimento em equipamentos de proteção individual e infraestruturas, por exemplo, na cidade do Porto.

Isabel Oneto destacou o investimento feito na Esquadra de Cedofeita e o investimento que já foi anunciado de seis milhões de euros na área do Viso, para acolher o Corpo de Intervenção, uma nova esquadra e toda a logística da PSP. “É um grande investimento no Porto ao nível das infraestruturas, eu creio de que esta colaboração se acaba por traduzir naquilo que é o essencial, que é dar melhores condições às forças de segurança e ao mesmo tempo construir para uma maior segurança de quem vive, visita ou trabalha no Porto”, sublinhou.