Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Policias de Portugal e Espanha desmantelam rede de tráfico de pessoas

Alberto Frias

A investigação revelou que as vítimas eram captadas em zonas de “grande vulnerabilidade social”, em alguns casos até mesmo com um certo grau de incapacidade, e que às vezes eram coagidas pelo grupo criminoso

A Polícia Judiciária e a Guarda Civil espanhola desmantelaram uma organização criminosa internacional dedicada ao Tráfico de Seres Humanos que angariava trabalhadores para serem explorados em campos agrícolas na província de Segovia, em Espanha.

Segundo um comunicado da Guarda Civil, numa operação conjunta, coordenada pela Eurojust, as duas polícias detiveram cinco pessoas e realizaram nove buscas domiciliárias em Espanha e em Portugal, durante as quais foi apreendida uma grande quantidade de documentação relativa a situações de trabalho e à própria organização criminosa, assim como uma arma de fogo.

Quatro pessoas foram detidas em Espanha e outra em Portugal, e três outros membros do grupo foram identificados.

Dez vítimas desta organização, quatro em Espanha e outras seis em Portugal, foram libertadas, segundo informou a Guarda Civil, que desenvolveu esta operação conjunta depois de várias denuncias.

A investigação revelou que as vítimas eram captadas em zonas de “grande vulnerabilidade social”, em alguns casos até mesmo com um certo grau de incapacidade, e que às vezes eram coagidas pelo grupo criminoso.

Posteriormente, as vítimas eram transportadas para os campos da região de Tierra de Pinares (Segovia), onde realizavam tarefas agrícolas e, uma vez terminado o dia de trabalho, eram obrigadas a fazer obras nas casas onde estavam hospedadas.

Nos tempos livres, as vítimas eram submetidas a um controlo apertado.

Esta organização criminosa iniciou a sua atividade em 2013 e oferecia emprego no setor agrícola em Espanha, com uma suposta remuneração diária que seria proporcional ao seu trabalho, assim como alimentação e alojamento, premissas que não eram cumpridas.

Os membros do grupo, que se encontram em prisão preventiva, residiam numa casa alugada num município da mesma região em que também moravam algumas vítimas, embora em quartos diferentes e em "condições sub-humanas de superlotação".

As investigações começaram depois de a Polícia Judiciária portuguesa ter recebido várias denúncias alegando as vítimas terem sido capturadas em Portugal e transportadas para Espanha, onde foram exploradas em tarefas agrícolas.

A operação, que contou também com a colaboração da direção regional do centro do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, em Coimbra, foi desenvolvida em simultâneo nas províncias de Segovia, Alava e várias localidades em Portugal.

Os detidos em Espanha foram colocados à disposição da Autoridade Central de Justiça, que decretou prisão preventiva, aguardando a sua extradição para Portugal.