Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Aqui só resta um cavalo-marinho

Tráfico para a China arrasa população de cavalos-marinhos da Ria Formosa, que albergava a maior comunidade do mundo

Durante o censo de cavalos marinhos na Ria Formosa, o biólogo Miguel Correia mergulhou em 15 locais. Em oito não encontrou nenhum cavalo. Aqui, no Canal de Faro, junto ao Porto Comercial, registou apenas um. Há cinco anos, eram dezenas. À esquerda, imagens captadas durante os mergulhos

FOTO TIAGO PEREIRA SANTOS

Um cavalo-marinho, apenas um. Mais de trinta minutos de mergulho, uma área de 240 metros quadrados varrida ao pormenor no canal de Faro, e quando voltou à superfície o biólogo Miguel Correia só tinha preenchido uma linha do quadro subaquático de registo: “hippocampus guttulatus, sexo masculino, jovem adulto”. Estava com esperança de que, pelo menos ali, os números fossem animadores. Há cinco anos, durante a pesquisa para o doutoramento sobre as duas espécies existentes no Parque Natural da Ria Formosa, contabilizou naquele local, em frente ao cais comercial, dezenas de exemplares. “É uma depressão, um desânimo inexplicável”, desabafa.

A sensação repetiu-se quinze vezes, tantas quantas as zonas de amostragem analisadas para o censo populacional, realizado no primeiro semestre de 2018, pelo investigador do Centro de Ciências do Mar da Universidade do Algarve. Em oito mergulhos não encontrou qualquer exemplar, em mais quatro apenas avistou um ou dois cavalos-marinhos. Nos restantes locais, os números variaram entre os cinco e um máximo de 21. No total, nos 3800 metros quadrados de área protegida que perscrutou pessoalmente só contabilizou 40.

A posterior análise científica da amostra deu números e dimensão à certeza que Miguel já tinha: a maior comunidade do mundo fora devastada, reduzida a um mínimo tão baixo que, nas condições atuais, pode já não assegurar a reposição. Comparando com 2012, ano do último censo, a diminuição é de 80%. A estimativa aponta para que atualmente não restem mais do que 155 mil cavalos-marinhos na Ria Formosa. Em seis anos desapareceram quase 600 mil.

O cenário é ainda mais devastador quando comparado com 2001, altura em que a investigadora canadiana Janelle Curtis descobriu que em mais nenhum lugar havia uma população tão numerosa: eram então 1,3 milhões. Entretanto, já se sabia, a abundância de cavalos-marinhos tinha sofrido uma quebra acentuada pela destruição das pradarias, o seu habitat, mas por volta de 2008 começara a reerguer-se voltando a valores animadores. Perderam-se. Em dez dos 15 locais de mergulho registaram-se agora os piores números de sempre.

O relatório permite identificar a devastação local a local, amostra a amostra: no extremo poente da Ria Formosa, localizado perto da Quinta do Lago, passou-se de 22 cavalos-marinhos para dois; nos sete pontos de mergulho ao longo do canal de Faro só foram registados nove (no total); junto à barra da Armona, de 20 resta um; junto ao pontão de Marim (onde se situa a sede do Parque Natural da Ria Formosa), de uma dezena passou-se para nenhum. “Se os fatores de pressão não forem eliminados num curtíssimo espaço de tempo, os cavalos-marinhos poderão correr o risco de não terem o número mínimo que permita a sua recuperação, ficando suscetíveis a uma extinção local”, garante o biólogo. “E isso pode acontecer dentro de dois, no máximo três anos”, acrescenta.

João Rodrigues / chimeravisuals.pt

O censo 2018 foi pedido no início do ano pela Fundação Oceano Azul, do Oceanário de Lisboa, quando se adensaram os indícios de que a população de H. guttulatus e H. hippocampus, ambas espécies protegidas, estava a ser delapidada. Conhecer a dimensão exata do estrago foi só um ponto da estratégia que se pôs em marcha para estancar a perda, e que passa pela intervenção junto da população local para enraizar a ideia da captura como um comportamento condenável. “Decidimos agir quando percebemos que esse capital natural se podia extinguir por haver uma inação do Estado. A modernidade não é só a fibra ótica, é proteger os valores ambientais e salvar uma espécie que podia ser o símbolo da Ria Formosa ou mesmo do Algarve”, critica Tiago Pitta e Cunha, diretor executivo da Fundação.

O relatório final do impacto populacional ficou pronto este mês. No fundo era só o que faltava saber: quão atingida tinha sido a comunidade. “Os rumores de que havia captura ilegal para o mercado asiático, de centenas de indivíduos diariamente, e de que se vendiam cavalos-marinhos secos a cinco e 10 euros a unidade já eram há muito uma certeza. Mas o pior é que essa prática continua. É feita de uma forma brutal, por arrasto de vara, em que um barco arrasta uma rede fina que apanha tudo por onde passa. Os cavalos-marinhos são sedentários, vivem em áreas de 100 metros quadrados e os arrastos são sempre superiores a isso, dizimando totalmente os locais. Os que não são apanhados ficam isolados, reduzindo a possibilidade da reposição da população. E, além de levar os cavalos-marinhos, a rede destrói as pradarias impossibilitando o regresso da espécie. Durante os mergulhos é visível o desaparecimento de largas extensões de ervas marinhas. Fica só lama, sem locais onde os cavalos-marinhos se agarrarem”, relata Miguel Correia.

NEGÓCIO DE €1600 MILHÕES

As denúncias também chegaram ao Serviço de Investigação Criminal da Polícia Marítima. O inquérito foi aberto há poucos meses mas o Expresso sabe que já foi possível identificar um “esquema de tráfico em rede, extremamente lucrativo, a operar em Olhão e com ligações ao oriente e a Espanha”, e um modus operandi que se repete, independentemente dos intermediários e mandantes. O valor das encomendas subiu nos últimos tempos devido à escassez de cavalos-marinhos, o que pode aliciar ainda mais pescadores para o crime.

O negócio terá começado há cerca de três anos, quando começaram a aparecer na zona compradores orientais de pepinos do mar, um invertebrado da família da estrela-do-mar apanhado aos milhões para satisfazer a procura de chineses e japoneses que lhe atribuem, na versão seca e sem vísceras, poderes medicinais perto do milagre: desde a cura do cancro do cólon à da artrite, da impotência à fadiga.

João Rodrigues / chimeravisuals.pt

Um quilo de cavalos-marinhos pode custar quase quatro mil euros na China

Os investigadores acreditam que um crime levou ao outro. Os traficantes perceberam então que no sistema lagunar da Ria Formosa havia cavalos-marinhos, ainda mais rentáveis do que os pepinos. Um quilo pode ser vendido na origem por 1500 euros, sendo que o seu valor multiplica duas vezes e meia quando chega ao mercado asiático. Para atingir esse peso são precisos cerca de 300 espécimes. Daí à extinção é um passo curto e rápido.

A nível mundial, todos os anos mais de 15 a 20 milhões são capturados e transformados em pó para utilização na medicina tradicional oriental, numa versão piscícola de Viagra que se aplica nos genitais masculinos misturado com óleo. Mas não chegam: a procura ronda as 600 toneladas anuais e move cerca de 1600 milhões de euros. Todas as 42 espécies de cavalos-marinhos identificadas estão na lista vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais e a sua comercialização é proibida, restando a via ilegal para a transação.

Compradores chineses e intermediários espanhóis frequentam a doca de Olhão, e também outras zonas próximas da Ria, e é aí que abordam os pescadores portugueses. Alguns apresentam-lhes listas com as várias espécies proibidas que se dispõem a comprar, cavalos-marinhos incluídos. Os que aceitam trabalhar para as redes juntam-se em grupos, espécie de cooperativas informais em que todos contribuem para completar a encomenda, dividindo depois o lucro. Fazem a apanha de noite, quer com vara de arrasto quer por mergulho, neste último caso capturando os cavalos-marinhos à mão, um a um, sem esforço (um cavalo-marinho pode demorar quatro minutos para nadar um metro). Junto às capitanias há sempre vigias, que alertam quem está na água quando é detetada a saída de embarcações policiais.

Os primeiros apanhados em flagrante foram detidos em Espanha, há dois anos. Dois portugueses de Olhão, pescadores de arrasto, pai e filho, e a mulher deste, brasileira, encontram-se com dois espanhóis de Cádis na estação de autocarros de Marbella, em Málaga. A família algarvia traz no porta-bagagens três malas cheias de cavalos-marinhos secos, sete quilos, 2133 exemplares que se prepara para vender por dez mil euros. A viagem foi planeada ao milímetro. Veio outro carro antes, a fazer de batedor, mas não serviu de nada. O Serviço de Proteção da Natureza da Guardia Civil (Seprona) tinha sido informado do negócio, interrompeu a transação e deteve os cinco traficantes por crime contra a flora e a fauna e tráfico ilegal de espécies em risco.

Em Portugal nunca houve detenções, só operações e deteções de redes e armadilhas. A última ocorreu há um mês, a 23 de setembro. “Durante uma ação noturna de fiscalização foi identificada uma embarcação a pescar por arrasto de vara. Os dois pescadores fugiram mas deixaram para trás a rede, onde estavam presos cavalos-marinhos, mas também chocos, polvos e peixes pequenos, que foram devolvidos à Ria”, recorda o comandante Cardoso de Morais, capitão do Porto de Olhão. Com equipa reduzida, o combate ao tráfico é feito em concorrência com uma multitude de ocorrências e ao ritmo de informações concretas. A época balnear ainda não acabou em todos as praias e concentra grande parte do trabalho.

Cavalos-marinhos secos apreendidos em Espanha pela Guardia Civil a pescadores portugueses em 2016
1 / 3

Cavalos-marinhos secos apreendidos em Espanha pela Guardia Civil a pescadores portugueses em 2016

Guardia Civil

Cavalos-marinhos secos apreendidos em Espanha pela Guardia Civil a pescadores portugueses em 2016
2 / 3

Cavalos-marinhos secos apreendidos em Espanha pela Guardia Civil a pescadores portugueses em 2016

Guardia Civil

Armadilhas detetadas pela GNR na Ria Formosa no início de 2018. No interior estavam 15 espécimes
3 / 3

Armadilhas detetadas pela GNR na Ria Formosa no início de 2018. No interior estavam 15 espécimes

GNR

Rede morta, rede posta. A armadilha perdida já foi entretanto reposta, garante uma denúncia que chegou às autoridades. Foi vista, espalhada ao comprido, a ser amanhada pelos pescadores que, em descontraída converseta, lá iam falando dos mil euros a mais que a captura lhes acrescenta ao rendimento mensal.

“A fiscalização da Ria cabe ao ICNF [Instituto da Conservação da Natureza e Florestas], mas só têm dois barcos disponíveis e só um é que opera. E apenas tem dois vigilantes para saídas e mesmo esses têm mais uma série de tarefas. Há tanta coisa que corre mal e todas concorrem para a diminuição dos cavalos-marinhos. Há cada vez mais barcos a fundear de forma desorganizada. Há passeios turísticos em que os guias apanham os cavalos-marinhos e os põem num tupperware para os turistas verem”, critica o biólogo Miguel Correia. “É verdade que nós já conseguimos reproduzi-los em cativeiro. Parece a solução mágica não é? Não. Nem pensar que vou reintroduzi-los para os apanharem. Só em última instância e com garantia de vigilância. E ainda assim não é o elixir mágico. Há doenças que podem ser transmitidas e pôr em causa a comunidade. Há uma variabilidade genética que é preciso respeitar. A solução é só uma: acabar o tráfico. Se não é o fim.”

ESPÉCIE

São peixes e têm um tempo médio de vida de três a cinco anos

Nadam hirtos e apresentam cores variadas

Alimentam-se de crustáceos, moluscos e vermes

O tamanho médio da espécie H. guttulatus ronda os 20 cm e é dez vezes mais abundante do que o pequeno H. hippocampus. São as únicas duas espécies do Mediterrâneo e do Atlântico

Tem apenas uma barbatana dorsal e duas peitorais muito pequenas, o que o faz deslocar-se muito devagar. Enrola a cauda nas plantas marinhas para não ir nas correntes

É o macho que dá à luz, fertilizando internamente os óvulos que a fêmea deposita numa bolsa na base da sua cauda

O macho e a fêmea mantêm uma relação monogâmica, com comportamentos ritualizados de acasalamento, a sincronização da natação e o entrelaçar das caudas

Não têm muitos predadores. O seu exosqueleto torna-os pouco apetitosos. Predador só o Homem

DECLÍNIO

CAPTURA ILEGAL

“Mais de 37 milhões de cavalos-marinhos são capturados anualmente em equipamentos de pesca não seletivos, como redes de arrasto ou de cerco”, denuncia ao Expresso Amanda Vincent, coordenadora e cofundadora do Projeto Seahorse, que a nível mundial luta pela conservação deste peixe. Destes, cerca de 15 a 20 milhões são comercializados secos para a medicina tradicional chinesa e centenas de milhares são vendidos para aquários. “É importante regular o comércio e o consumo, mas ainda é mais importante regular a pesca de arrasto que mataria os cavalos-marinhos mesmo que não existisse procura para a sua comercialização”, acrescenta. A prática é proibida na Ria Formosa mas é realizada de forma furtiva.

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL

Com a apanha ilegal por arrasto de vara, além da captura da espécie é destruído o habitat. Desaparecem as macroalgas às quais se agarram e onde se estabelecem as colónias. O assoreamento das barras também é nefasto, assim como o fundeamento descontrolado de embarcações, cujas âncoras criam zonas vazias. Cada vez mais se encontram estes animais em pontos de fixação que antes não utilizavam, como as amarrações de boias, como se procurassem uma alternativa para sobreviver. Apesar dos 11 mil hectares da Ria Formosa estarem em zona protegida, são permitidas diversas atividades humanas, como a pesca, a cultura de bivalves, aquicultura, extração de areia e atividades turísticas.

POLUIÇÃO SONORA

O ruído provocado pelo aumento da náutica de recreio na Ria Formosa causa stresse aos cavalos-marinhos, alterando o seu batimento opercular (vital para a obtenção de oxigénio) e os passeios turísticos para avistamento da espécie, por snorkeling, também não ajudam, uma vez que sinalizam os locais onde existem para quem os quer apanhar furtivamente.

FERTILIDADE BAIXA

O macho pode libertar 200 a 300 juvenis, mas em meio natural muito poucos sobrevivem, o que dificulta a renovação de gerações. Com a sua retirada aos milhares, a população rapidamente entra em colapso, por extrema dificuldade de reposição. Um número baixo de indivíduos em meio selvagem, espalhados, pode pôr em causa a reprodução da espécie, a sua subsistência e levar até ao seu desaparecimento. No censo de 2018 é evidenciado o envelhecimento da população.

SEDENTARISMO

Os cavalos-marinhos são fiéis ao seu espaço, não se deslocam além dos 100 m2, ocupam sempre os mesmos lugares e não são conhecidos pela sua rapidez, podendo demorar quatro minutos para nadar um metro. Ou seja, são presas muito fáceis e basta um mergulho ou um arrasto para arrasar toda uma colónia. A maioria habita zonas costeiras tipicamente impactadas por atividades humanas, tornando-os particularmente vulneráveis.

SOLUÇÕES

REPRODUÇÃO EM CATIVEIRO

É desenvolvida desde 2007 no Centro do Ramalhete, infraestrutura de pesquisa científica da Universidade do Algarve gerida pelo Centro de Ciências do Mar. Foi a primeira instituição a nível mundial a conseguir a reprodução com sucesso da espécie H. guttulatus. Muitos aquários têm interesse nesta tecnologia como forma de suprimir a necessidade de exemplares selvagens para as suas exposições.

RECIFES ARTIFICIAIS

Criação de áreas de proteção com recifes artificiais feitos de corda náutica que imitam as algas, de quatro a 10 metros quadrados, em zonas mais profundas. Os biólogos acreditam que seriam espontaneamente ocupadas pelos cavalos-marinhos selvagens, uma vez que estes procuram as condições adequadas, zonas com mais hidrodinamismo, onde há mais correntes que levam a comida até eles (não gostam de ser eles a procurá-la). Atualmente, porém, a população está de tal forma reduzida que nem as estruturas artificiais já existentes na Ria Formosa estão a ser colonizadas.

EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Tornar as atividades furtivas socialmente inaceitáveis ao promover um sentimento de orgulho e pertença em relação aos cavalos-marinhos, escolhendo como passadores da mensagem os pescadores mais respeitados, incluindo mulheres. Essa mudança de paradigma deverá ser reforçada por ações de educação ambiental nas escolas, sensibilização da comunidade piscatória e da opinião pública, envolvimento de organizações não-governamentais e da comunidade científica e colaboração com as autoridades locais e nacionais.

FISCALIZAÇÃO

A redução drástica dos cavalos-marinhos da Ria diz tudo sobre a eficácia atual da vigilância. Quer o ICNF quer a Polícia Marítima debatem-se com escassez de meios, a que se soma a rede de ‘olheiros’ que trabalham para os traficantes e infratores e que os avisam das ações policiais e de fiscalização. Está a ser equacionada a instalação de um sistema de câmaras de vigilância noturna na Ria Formosa. Como as más práticas não se ficam pelos pescadores, os biólogos defendem o desenvolvimento de um protocolo com as empresas de atividades lúdicas para evitar os impactos negativos nas populações.

INFORMAÇÃO

Há falta de informação sobre as espécies que existem em Portugal — o H. guttulatus e o H. hippocampus —, nomeadamente sobre a distribuição além da Ria Formosa, o que impede a sua proteção. Há presenças identificadas nos estuários do Sado e Tejo, no rio Arade e na Lagoa de Melides, mas os dados são muito escassos. Atualmente existe uma plataforma digital (www.iseahorse.org) onde qualquer pessoa pode adicionar avistamentos (vivos ou mortos) e a sua localização, com ou sem fotografia.