Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Philippe da Bélgica só lamenta uma coisa na visita a Portugal: que tenha durado três dias e não três semanas

Reis da Bélgica nos jardins de Serralves

JOSÉ COELHO/LUSA

No terceiro dia em Portugal, o rei dos belgas subiu ao Porto para revisitar e receber as chaves da cidade, geminada com Liège. Na companhia da rainha Mathilde e do Presidente da República português, deu um salto a Serralves para apreciar a exposição dos pintores belgas Luc Tuymans e Marcel Broodthaers, seguindo-se um almoço no Palácio da Bolsa com empreendedores e a academia

Isabel Paulo

Isabel Paulo

Jornalista

Os reis da Bélgica, Philippe e Mathilde, fizeram, esta quarta-feira, uma breve incursão ao Museu de Arte Contemporânea de Serralves, para ver a exposição dos pintores belgas Luc Tuymans e Marcel Broodthaers. A comitiva real foi recebida pela presidente do conselho de administração da Fundação de Serralves, Ana Pinho, e pelo presidente do Conselho de Fundadores, Luís Braga da Cruz, tendo na breve incursão cultural visitado ainda a sala com trabalhos de Anish Kapoor e a Casa de Serralves, um exemplar da arquitetura Art Déco em Portugal.

O terceiro dia da visita oficial dos reis dos belgas teve início na Câmara do Porto, a cidade que, segundo Philippe, “consegue combinar de forma brilhante o melhor do velho e do novo". Num discurso em inglês carregado de sotaque, o sétimo monarca belga invocou o passado, lembrando que, desde a fundação romana de “Portus Cale”, o Porto desenvolveu-se na cidade florescente e dinâmica que é hoje: “A reputação da Invicta fala por si”.

Na incursão ao Porto, Philippe não descurou o presente, nem deixou de acautelar o futuro das relações com o país e o Porto, através do encontro com empresários e empreendedores da região - “que mais uma vez cruzam velhas tradições e o novo” - com a comitiva de 170 pessoas.

Antes de entregar as chaves da cidade ao rei dos belgas, Rui Moreira relembrou a forma como o Porto resistiu à crise e como se colocou no “caminho certo com atração de investimentos estrangeiros e “rebranding da cidade", fatores que sustenta são fundamentais na criação de experiências positivas para os locais e turistas.

O presidente da Câmara do Porto afirmou que o Porto soube adaptar-se aos novos contextos urbanos onde o papel das cidades é cada vez mais significativo no contexto regional, nacional e global.

O almoço oferecido pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, teve por palco o Salão Nobre do Palácio da Bolsa, que esta quarta-feira reuniu pessoas de várias áreas de negócios: “São empreendedores que representam tradições antigas e sagradas da produção vinícola e da agricultura, bem como empresas contemporâneas ativas em novos sectores, como o comércio eletrónico, energias renováveis e software. Na UPTEC [Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto] iremos ver como os fundadores da Faculdade de Tecnologia do Porto colocaram uma fundação sólida para as maravilhas tecnológicas desenvolvidas aqui hoje", adiantou o monarca.

Ainda antes do início do almoço e do brinde com Vinho do Porto, Philippe confessou que apenas lamentava uma coisa na vinda a Portugal: que a visita tenha durado três dias em vez de três semanas. Durante a tarde, os reis visitam a Igreja de São Francisco e depois seguem para a zona da Asprela para visitarem o Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto.

Às 16h o rei Philippe e a rainha Mathilde deslocam-se ao Instituto de Investigação e Inovação em Saúde da Universidade do Porto (i3s), para a sessão de encerramento do seminário “Perspective on the Portuguese digital startup ecosystem”.