Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Costa defende Ronaldo: "Não basta alguém ser acusado para ser culpado"

HOMEM DE GOUVEIA / Lusa

O primeiro-ministro António Costa falou hoje sobre a acusação de violação contra Cristiano Ronaldo e defendeu o futebolista lembrando "a presunção de inocência" e destacando seu profissionalismo "que muito têm honrado Portugal". A Juventus joga hoje às cinco da tarde e o treinador já garantiu a titularidade do jogador português

Rui Gustavo

Rui Gustavo

Jornalista de Sociedade

Uma acusação não é uma condenação. O chefe do Governo português invocou hoje o princípio da presunção de inocência para defender Cristiano Ronaldo, o futebolista acusado de ter violado uma mulher americana há nove anos, em 2009. "Não basta alguém ser acusado de alguma coisa para ser culpado do que quer que seja", lembrou António costa durante uma cerimónia na Ilha de Lanzarote, em Espanha, para celebrar os vinte anos da atribuição do Nobel da literatura a José Saramago.

Costa destacou ainda o profissionalismo do jogador "que muito tem honrado e prestigiado Portugal" e espera que nada "manche" a honra de Cristiano Ronaldo. Ontem, o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa também já tinha defendido o jogador: "Eu não mudo de ideias quanto ao papel desportivo e nacional que alguém que hoje está envolvido na justiça teve na vida do nosso país. Isso existe e é uma realidade", afirmou o chefe de Estado.

Ronaldo é acusado pela americana Kathryn Mayorga, que diz ter sido violada por ele a 13 de junho de 2009 durante uma festa num hotel de Las Vegas, no estado do Nevada. De acordo com a revista alemã Der Spiegl, Ronaldo terá pagado mais de 300 mil euros para comprar o silêncio da vítima. O jogador já negou todas acusações e hoje vao voltar aos relvados, no jogo da Juventus contra a Udinese. O treinador Allegri já lhe garantiu a titularidade.