Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Professores exigem a recuperação de nove anos, quatro meses e dois. Governo aprova dois anos, nove meses e 18 dias

SÉRGIO AZENHA/LUSA

Decisão surge após uma semana de greves, que termina com uma manifestação nacional marcada para esta sexta-feira, em Lisboa

O Governo aprovou esta quinta-feira o decreto-lei que define que os professores vão recuperar dois anos, nove meses e 18 dias do tempo de serviço efetuado, no último dia de uma semana de greves dos docentes contra esta medida.

Em declarações aos jornalistas, o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, defendeu que este diploma que define o modelo de recuperação do tempo de serviço dos docentes surge na "sequência do processo negocial" entre o executivo e os sindicatos dos professores, um processo que classificou de "longo".

Os professores exigem a recuperação de nove anos, quatro meses e dois dias de serviço, motivo que levou a que os sindicatos agendassem uma semana de greves, que termina esta quinta-feira, e uma manifestação nacional marcada para sexta-feira em Lisboa.

Segundo Tiago Brandão Rodrigues, o decreto-lei é o resultado de um processo negocial em que "o Governo foi flexível" e "os sindicatos foram inflexíveis".

Durante a conferência de imprensa, no final do Conselho de Ministros, o ministro explicou ainda que a recuperação dos cerca de dois anos e nove meses de trabalho, que terá efeitos a partir de 1 de janeiro, foi a solução encontrada pelo Governo para que a recuperação da carreira dos professores, que esteve congelada, tivesse "paralelismo nas carreira da Função Pública".