Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

“Temos de nos apressar, senão vamos ficar afogados em plástico”

As questões ambientais não estão entre as principais preocupações dos jovens portugueses, mas “é preciso sensibilizá-los para elas”, defende Sofia Colares Alves. Preocupada com as baixas taxas de reciclagem em Portugal e na Europa, a representante da Comissão Europeia em Portugal lembra que a estratégia dos plásticos está a andar, mas “temos de nos apressar senão vamos ficar afogados em plástico”

Carla Tomás

Carla Tomás

Jornalista

Sofia Colares Alves, advogada de formação, exerce funções na Comissão Europeia desde 2003. Passou pela Direção-Geral da Concorrência, pelo Tribunal de Primeira Instância das Comunidades Europeias e foi consultora na área da política anti-trust e controlo de cartéis

Sofia Colares Alves, advogada de formação, exerce funções na Comissão Europeia desde 2003. Passou pela Direção-Geral da Concorrência, pelo Tribunal de Primeira Instância das Comunidades Europeias e foi consultora na área da política anti-trust e controlo de cartéis

D.R.

A iniciativa #EUandME, que procura transmitir aos jovens “as vantagens de ser cidadão da União Europeia” a vários níveis, entre os quais o ambiental, foi o mote para a conversa com Sofia Colares Alves. A jurista, que está há dois anos à frente da representação da Comissão Europeia (CE) em Portugal, falou das cinco curtas-metragens em digressão – entre as quais “Oona” (de Zaida Bergroth), um pequeno filme que conta a história de uma pré-adolescente que, como a maioria dos jovens da sua idade, prefere ficar em casa agarrada ao tablet, até que um dia se perde na floresta – , mas também da necessidade de as pessoas exigirem mais para que haja “maior maturidade política” e melhores decisões em Bruxelas.

Porque surge esta campanha de sensibilização ambiental dirigida aos jovens?
O ambiente nunca vem em primeiro, nem em segundo, nem em terceiro lugares quando perguntamos a jovens universitários portugueses o que mais os preocupa. É certo que os ‘millennials’ europeus mostram preocupações com a pegada ecológica, estão mais conscientes em relação aos produtos que compram e são sem dúvida uma geração mais informada. Mas em Portugal há outras questões mais prementes, talvez porque o desemprego jovem ainda está nos 14% e há dificuldade em encontrar trabalho. Temos de reforçar as campanhas de sensibilização, chamando a atenção para a qualidade da água que bebemos, das nossas praias, da segurança dos produtos que comemos. Tudo isto acontece porque há critérios e legislação europeia que impõe standards mais elevados em termos de proteção do consumidor, da saúde e do ambiente.

Se não houvesse esse chapéu de diretivas europeias, Portugal não teria evoluído como evoluiu em termos de políticas e medidas de proteção ambiental?
Estou convencida de que sim. Mas não sei se a maioria dos jovens está consciente de que a maioria destes benefícios vêm da legislação europeia e por isso é importante sensibilizá-los para as causas ambientais. Portugal ganhou em geral em várias áreas com a integração na União Europeia, em particular na ambiental.

Da vasta área abrangida pelas políticas ambientais, qual a que mais a preocupa?
Faz-me confusão que muitas pessoas não estejam sensibilizadas para as questões da reciclagem e do uso dos plásticos descartáveis. As pessoas ainda ficam admiradas quando se recusa um saco de plástico ou uma palhinha. É uma questão de sensibilização e de educação. Temos apenas 30% de média de reciclagem num continente tão evoluído e em Portugal a taxa de reciclagem anda nos 16%. Temos de nos apressar, senão vamos ficar afogados em plástico.

A CE apresentou há uns meses um conjunto de medidas para reduzir a poluição marinha, entre as quais a proibição de plásticos descartáveis. Como está este processo?
Ainda está a ser trabalhado no Conselho Europeu e espero que seja aprovado ainda neste mandato. É preciso sensibilizar as pessoas dos cafés e dos restaurantes para não adquirirem copos, talheres e palhinhas descartáveis e também é necessário continuar a sensibilizar os consumidores para não os utilizarem.

d.r.

Os cidadãos estão acomodados às vantagens de uma sociedade que vive rodeada de plásticos e de coisas descartáveis?
Sim, mas o problema é que não há alternativas, basta irmos ao supermercado para nos defrontarmos com tudo embalado. Temos de sensibilizar o consumidor e temos de reorganizar o sector das embalagens de modo a termos menos embalagens, acabar com os plásticos descartáveis e a aumentar a reciclagem dos plásticos que se usam.

Já se fala na proibição do comércio de plásticos descartáveis há anos, mas a UE é muito lenta a avançar com as medidas…
Os temas difíceis e novos precisam de tempo. O ambiente também é um tema novo e difícil, porque tem implicações económicas importantes. É preciso encontrar uma política equilibrada que não prejudique a economia europeia, nem os interesses dos consumidores, nem o planeta. É preciso chegar a uma maturidade no Conselho Europeu, e só há maturidade política quando as pessoas a exigem.

Quando falamos de alterações climáticas a UE diz orgulhar-se de estar no “pelotão da frente”, apesar de por vezes ser mais teoria do que prática, não?
Mas já se avançou bastante no mix energético e na eficiência energética. Claro que podem ser gotinhas no oceano, mas são todas as gotinhas que formam o oceano. A Europa tem de dar o exemplo e de estar na vanguarda em muitas matérias.

“Todos deveríamos fazer mais”

Referiu há pouco que se não fosse a legislação europeia Portugal não teria avançado tanto em termos de políticas de defesa do ambiente. Mas faz-se o suficiente por cá?
Acho que o Governo deveria fazer mais, como a Comissão Europeia também deveria fazer mais, como todos nós deveríamos fazer mais. A sensibilização para a sustentabilidade tem de começar cedo na escola, porque as crianças e jovens são mais sensíveis a estas temáticas e a ações de defesa do planeta, como a limpeza das praias ou a proibição de plásticos descartáveis.

Ao dar luz verde ao furo de prospeção de petróleo ao largo de Aljezur, a Agência Portuguesa do Ambiente argumentou que não era necessária Avaliação de Impacte Ambiental (AIA) nesta fase, porque a lei não o exige e a UE também não. Pode a União avançar com uma nova diretiva para obrigar a processos de AIA em situações como esta?
A UE poderia fazê-lo, mas porque não hão de ser os próprios Estados-membros a avançar nesse sentido? Com o pacote ‘energia para todos’, o que se tentou fazer foi mudar o paradigma e passar a responsabilidade para os Estados-membros definirem o mix energético para cumprir os objetivos. Cabe ao Estado-membro e aos cidadãos definirem se querem ou não a exploração de petróleo, nós (CE) não nos vamos imiscuir.

Em Portugal houve mais de 40 mil pessoas ou entidades que se manifestaram contra este projeto durante a discussão pública, mas isso não teve eco no Governo...
As pessoas têm de perguntar porquê. Há uma coisa chamada eleições, e isso pode ser trazido para o debate político.

O filme “Oona” conta a história de uma menina de uns 11 ou 12 anos que, como tantas crianças da sua idade, prefere estar agarrada ao tablet ou ao computador em vez de desfrutar da natureza. Não acha que é demasiado infantil apostar numa espécie de fábula quando a campanha é dirigida a jovens dos 17 aos 35 anos?
Se tivesse sido usado no filme um adolescente ou um jovem adulto era menos provável que olhasse para o urso como um amigo e mais provável que desatasse a correr [risos]. Eu tenho três filhos destas idades em casa e é difícil tirá-los de lá. Mas uma vez fora de casa adoram nadar, caminhar e fazer outras coisas que não só ter um tablet entre as mãos.

Onde é que o público em geral tem acesso ao filme?
Já passou na RTP2 em maio, na Semana da Europa, assim como os outros quatro filmes de autor. Também passou no festival internacional de cinema Queer, em Lisboa, e vai passar no do Porto. Uma das curtas desta campanha é o filme “Debut”, sobre um jovem futebolista que é homossexual. Estes filmes também podem ser vistos nos Alfas pendulares Lisboa-Porto e Lisboa-Algarve, e em breve no Fólio, em Óbidos.