Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Distritos do norte em “alerta especial laranja” por “agravamento” do risco de incêndio

As altas temperaturas e o tempo seco justificam novo alerta para o eprigo de incêndios

Rui Duarte Silva

Porto, Braga, Bragança, Viana do Castelo, Vila Real, Guarda e Viseu estão colocados no estado de “alerta especial laranja”, que aumenta o grau de prontidão das forças de combate aos fogos. Mais do que o calor, é o vento de Leste (seco), que faz diminuir a humidade, a preocupar as autoridades. Haverá um agravamento ao longo da semana

Os efeitos do vento de Leste e a consequente diminuição da humidade, que farão aumentar consideravelmente o risco de incêndio no país, são as principais razões que levaram a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) a anunciar, na tarde deste domingo, a colocação de sete distritos em estado de “alerta especial laranja”.

A segunda situação mais grave de um alerta especial, o qual determina um aumento da monitorização da situação no terreno e um maior grau de prontidão das forças de combate aos fogos, aplica-se sobretudo ao Norte do país, mas engloba também distritos do Centro: Porto, Braga, Bragança, Viana do Castelo, Vila Real, Guarda e Viseu.

Um estado de alerta especial é determinado a partir do grau de risco existente e fixa, quanto maior for a gravidade, um número superior de forças que tem de responder num determinado período de tempo.

O anúncio das medidas foi feito na sede nacional da ANPC por Alexandre Penha, adjunto nacional de operações. O porta-voz da ANPC chamou a atenção para o “agravamento sucessivo” do estado do tempo “até ao final da semana”, em resultado do “vento de quadrante Leste” e da “descida da humidade nos combustíveis”.

Nas declarações aos aos jornalistas, o responsável da ANPC recordou foi prolongado até 15 de outubro o período crítico (inicialmente previsto apenas até 30 de setembro), pelo que continuam a ser proibidas as queimas e queimadas.

Por outro, no quadro de risco de incêndio, já não se aplicará a redução de meios aéreos, que estava prevista para ocorrer nesta segunda-feira, dia 1 de outubro. “Os meios aéreos, que eram para decrescer a partir de amanhã, vão manter-se até 15 de outburo”, afirmou Alexandre Penha, adjunto nacional de operações da ANPC.