Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Riso de Carlos César sobre transferência falhada do Infarmed irrita movimento de Rui Moreira

O Porto pode perder o Infarmed mas não aceita que lhe percam o respeito, adverte a direção do 'Porto, o Nosso Movimento', do presidente do PS. Independentes criticam o paternalismo e os tiques centralistas de alguém que se mudou de Ponta Delgada para o Largo do Rato

Isabel Paulo

Isabel Paulo

Jornalista

A Associação Cívica Porto, o Nosso Movimento lamenta a condescendência e o paternalismo de alguém que se mudou de Ponta Delgada para o Largo do Rato e já evidencia os mais primários tiques centralistas. A indignação da direção do movimento afeto a Rui Moreira, liderada por Francisco Ramos, surge na sequência das entrevistas do presidente do Partido Socialista à RTP3 e SIC Notícias, na terça-feira, durante as quais, “sem conseguir explicar as sucessivas e contraditórias decisões do Governo de António Costa e do Ministro da Saúde, preferiu rir”.

Em comunicado, a direção do 'Porto, o Nosso Movimento' critica a atitude de “condescendência e paternalismo” de Carlos César, quando questionado se compreendia a reação do presidente da Câmara do Porto à notícia de que o Infarmed ficará em Lisboa: “As gargalhadas do ex-presidente do Governo Regional dos Açores são uma falta de respeito pelo Governo, pelo Grupo de Trabalho nomeado pelo Governo, pelo Infarmed, pela descentralização, mas sobretudo pelo Porto e pelos portuenses”.

A Associação Cívica lamenta ainda que alguém que se mudou de Ponta Delgada para o Largo do Rato já evidencie “os mais primários tiques” centralistas. “Carlos César pode rir do Porto para tentar fugir às responsabilidades do PS, do primeiro-ministro e do ministro da Saúde, mas não pode iludir que foi o Governo quem nomeou, em Conselho de Ministros, uma comissão de 27 especialistas que decidiram que o instituto ficaria melhor no Porto”, acrescenta o movimento.

No duro comunicado, a direção afeta ao movimento de que Rui Moreira é um dos fundadores, refere que o líder do PS “ao desculpar-se com a complexidade da transferência sentencia um dos pilares do programa de Governo do PS, a descentralização, que nunca mais poderá ser feita, nem a propósito do Infarmed nem de coisa nenhuma. Mas ao rir-se, Carlos César insulta a cidade do Porto”.

A sucessão de declarações sobre a deslocalização do Infarmed, incluindo as que o primeiro-ministro proferiu no Parlamento, garantindo cinco vezes que o Infarmed viria para o Porto a 1 de setembro de 2019, obrigam o primeiro-ministro, sustenta o movimento independente, a tomar uma posição pública e a dar a cara pela decisão do Governo que, até hoje, nada disse à Câmara do Porto. “Se não o fizer estará a perder por completo o respeito que os portuenses sempre lhe tiveram”, avisa a direção do movimento independente.

Fonte da autarquia adiantou, esta quarta-feira ao Expresso, que até ao momento não houve qualquer contacto do Governo com o executivo municipal “por nenhum meio”, referindo que a Câmara do Porto também só soube da criação do Grupo de Trabalho para avaliar a deslocalização “por resolução do Conselho de Ministros”.

  • A opinião de Pedro Santana Lopes e Carlos César

    Pedro Santana Lopes e Carlos César analisaram, na Edição da Noite, desta terça-feira, as detenções no caso do roubo de Tancos, a nova Procuradora-Geral da República e a polémica com o processo do INFARMED