Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Morreu Helena Almeida

Artista plástica, vulto maior da arte contemporânea, tinha 84 anos

Morreu Helena Almeida, uma das mais elogiadas artistas plásticas portuguesas. A notícia foi avançada pelo jornal “Pùblico”, que cita a curadora Isabel Carlos.

Atualmente com uma exposição na Tate Modern em Londres, e com uma mostra recém-inaugurada também em Madrid, na Galeria Helga de Alvear, Helena Almeida tinha 84 anos de vida e mais de 50 dedicados às artes.

Nascida em Lisboa, em 1934, a artista criou, a partir dos anos 1960, uma obra multifacetada, sobretudo na área da fotografia, tornando-se uma figura destacada no panorama artístico português contemporâneo.

A exposição "O Outro Casal. Helena Almeida e Artur Rosa", sobre a obra de Helena Almeida, centrada nos registos em que aparece com o marido, também artista, Artur Rosa, esteve patente desde junho ao passado dia 9, na Fundação Arpad Szenes Vieira da Silva, em Lisboa.

As fotografias de Helena Almeida, com formação em pintura, foram sempre registadas pelo marido, o arquiteto e escultor Artur Rosa, também nascido em Lisboa, em 1926.

Sobre o facto de Artur Rosa ter fotografado praticamente todos os seus trabalhos, Helena Almeida explicou, um dia, numa entrevista à curadora Isabel Carlos: "É sempre ele. Porque é importante que as fotografias aconteçam no lugar físico em que eu as pensei e projetei".
"E como tal, tem que ser alguém próximo de mim. Mas antes faço sempre desenhos das situações que quero fotografar. Aliás, a partir da década de 80 passo a usar o vídeo para experimentar, porque um gesto pode ser muito enganador: uma mão mais para o lado é já outra coisa. Então, ensaio primeiro com a câmara [...]. Eu quero a fotografia tosca, expressiva, como registo de uma vivência, de uma ação", acrescenta.

O lugar físico de que fala, o ateliê, é o espaço onde cresceu, e já era o ateliê do pai, o escultor Leopoldo de Almeida, autor, entre outras obras, do conjunto escultórico do Padrão dos Descobrimentos, e uma das figuras mais proeminentes da estatuária das décadas de 1940 e 1950 em Portugal.

Helena Almeida, "mais do que criar obras especificamente para um lugar ou um sítio, parece antes afirmar que o lugar é o atelier e o atelier é o seu mundo. Daí que as fotografias tenham que ser tiradas no sítio onde o trabalho se desenvolveu e registadas por alguém do seu círculo, por alguém da sua intimidade", segundo o museu Vieira da Silva, a propósito da exposição no Museu Vieira da Silva.

O processo quase sempre se inicia pelo desenho: Helena Almeida desenhava primeiro as posições, os movimentos em que o seu corpo será registado e, depois, em sessões a dois, faz-se fotografar por Artur Rosa. Mas por vezes Artur Rosa também entrava na imagem.

Na obra de Helena Almeida, a primeira vez que surge a imagem do casal é em 1979, na obra "Ouve-me", uma sequência de oito fotografias a preto e branco, ao modo de um 'storyboard', em que o rosto dos dois artistas surge frente a frente.

A partir de 2006, o casal começa a surgir representado de um modo mais permanente.
Helena Almeida nasceu em Lisboa em 1934, cidade onde vivia e trabalhava, e estudou Pintura na Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa, começando a expor individualmente em 1967, na Galeria Buchholz.

A artista representou Portugal na Bienal de Veneza por duas ocasiões: em 1982 e em 2005, e em 2004, participou na Bienal de Sidney.

Nos últimos anos, a sua obra tem sido exibida no âmbito de exposições individuais e coletivas em museus e galerias nacionais e internacionais.

Em 2015, apresentou uma exposição individual itinerante Corpus na Fundação de Serralves (2015), em Paris (2016), em Bruxelas (2016) e Valência (2017).

Em 2017, apresentou igualmente uma exposição individual "Work is never finished" no Art Institute, em Chicago.

A sua obra está presente em coleções portuguesas e internacionais como: Coleção Berardo, Lisboa; Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa; Fundação Serralves, Porto; Centro de Artes Visuales, Fundación Helga de Alvear, Cáceres; Fundación ARCO, Madrid; Hara Museum of Contemporary Art, Tóquio; MEIAC - Museo Extremeno e Iberoamericano de Arte Contemporáneo, Badajoz; Museu de Arte Contemporânea de Barcelona; Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía, Madrid; MUDAM - Musée d'Art Moderne Grand-Duc Jean, Luxemburgo; Tate Modern, Londres.