Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Falta “meia dúzia” para se pouparem milhões

Um tratamento inovador 
é toda a descoberta 
com potencial para melhorar 
a qualidade de vida 
de um doente oncológico

Getty Images

Oportunidade: os ensaios clínicos patrocinados por farmacêuticas e associações são uma oportunidade de vida para doentes oncológicos e de poupança para o Orçamento do Estado

Os ensaios clínicos de tratamentos inovadores permitem aos doentes ganharem anos de vida e aos hospitais obterem receitas e evitarem despesas com os medicamentos, as consultas, as análises, as radiografias, as ressonâncias... e demais custos que as indústrias farmacêuticas e as associações de doentes oncológicos patrocinam.

O problema é a “meia dúzia” que falta para se pouparem todos estes milhões de euros ao Orçamento do Estado (OE). Ao país, em geral, falta que “meia dúzia” de centros de investigação privados ou públicos — como o IPO-Porto — se unam para criar um cluster de inovação clínica capaz de vencer esta renhida competição pelos ensaios clínicos a nível internacional. Ao IPO-Porto, em particular, falta “meia dúzia” de farmacêuticos e de administrativos para que este hospital público não desperdiçe os ensaios clínicos para os quais já é convidado. Visão estratégica para o país e autonomia para os hospitais é o que pedem Laranja Pontes, o presidente do IPO-Porto, e José Dinis, médico deste hospital e representante da Sociedade Portuguesa de Oncologia.

Uma questão de autonomia...
Em 2017, cerca de 250 doentes do IPO-Porto participaram numa centena de ensaios clínicos que permitiram a este hospital arrecadar cerca de €1,4 milhões de receitas extra e ainda poupar cerca de €4 milhões nos tratamentos a esses doentes, que deixaram de ser suportados pelo OE para serem pagos pelas farmacêuticas. “Ou seja, o IPO-Porto poupou quase €5 milhões aos contribuintes. Mas podia poupar quatro vezes mais se tivesse a autonomia necessária para contratar as pessoas necessárias para gerirem mais ensaios clínicos”, explica Laranja Pontes. Em causa estão a tal “meia dúzia” de farmacêuticos e outra “meia dúzia” de administrativos que este hospital público não tem autonomia para contratar.

José Dinis diz que até já teve de recusar ensaios clínicos. “Levamos 11 meses para vermos aprovados a contratação de dois farmacêuticos” quando “temos três a quatro dias para responder se estamos interessados em participar no ensaio clínico”. Laranja Pontes confirma: “Se eu perguntar — não digo a quem, mas se calhar é um ministro — ele só daqui a um ano é que me vai responder: então apresente-me lá a viabilidade económica” desse recrutamento.

A deputada e vice-presidente da Comissão Parlamentar de Saúde, Maria Antónia Almeida Santos, defendeu “uma maior agilização dos processos de contratação nestes casos em que está provada a absoluta necessidade para a gestão e bom funcionamento dos serviços”. E acrescenta: “Neste, como em muitos outros casos no sector da saúde, a despesa é um investimento e até uma poupança.”

… e de visão estratégica
“Numa altura em que se prevê que a incidência de cancro vai aumentar 30% e em que a escassez dos hospitais abre telejornais, a pergunta é como é que nós vamos conseguir tratar mais pessoas com menos dinheiro”, alertou José Dinis na conferência “Tenho Cancro. E depois?”.

Para este oncologista, a resposta está em Portugal unir esforços cá dentro para competir lá fora, contra Espanha e outros rivais europeus, pela captação deste investimento estrangeiro que é o ensaio clínico. “Isto é uma competição internacional onde todos querem estar. E nós temos andado a dormir na forma. Em Espanha, eles vivem um momento vibrante nos ensaios porque se organizaram enquanto estrutura logo em 2007.”

Laranja Pontes diz que está na hora de os decisores políticos olharem estrategicamente para este nicho de mercado. Importa promover uma parceria entre hospitais públicos e privados que permita aos doentes acederem a tratamentos inovadores, aos gestores hospitalares reduzirem os custos, aos médicos obterem notoriedade científica e ao país ter um lugar sentado na distribuição dos ensaios clínicos. “Se Portugal tiver um cluster para a inovação clínica, não à espera de subsídios, mas com vontade de responder ao desafio, então aumentará a probabilidade de captarmos mais ensaios clínicos e investimento”, diz o presidente do IPO-Porto.

Da esquerda para a direita, José Diniz, representante da Sociedade Portuguesa de Oncologia, Laranja Pontes, presidente do IPO-Porto, a deputada Maria Antónia Almeida Santos, a doente oncológica Sandra Lucas e Tamara Milagre, presidente da Associação Evita

Da esquerda para a direita, José Diniz, representante da Sociedade Portuguesa de Oncologia, Laranja Pontes, presidente do IPO-Porto, a deputada Maria Antónia Almeida Santos, a doente oncológica Sandra Lucas e Tamara Milagre, presidente da Associação Evita

Jose Fernandes

Citações

Já participeiem ensaios clínicos, mas não sou rato de laboratório. Há fiabilidade e segurançanos ensaios,o doente ganha sobrevida e o Orçamento do Estado poupa.Ainda há muitopreconceito porqueas pessoas aindarecorrem muitoao dr. Google”
Sandra Lucas
Biotecnóloga e doente oncológica

“Os ensaios clínicos são uma coisa boa que traz novos medicamentosao mercado. Os doentes têm uma vigilância maior e acesso a tratamentos melhores”
Tamara Milagre
Presidente da EVITA — Associação de Apoio a Portadores de Alterações nos Genes Relacionados com Cancro Hereditário

“É uma competição internacional onde todos querem estar. E nós, em Portugal, temos andado a dormir na forma. Em Espanha, eles vivem um momento vibrante nos ensaios porquese organizaram todos enquanto estrutura logo em 2007”
José Dinis
Sociedade Portuguesa de Oncologia

“Se Portugal tiver um cluster para a inovação clínica, aumentaráa probabilidade de captarmos mais ensaios clínicos. É preciso que os decisores políticos olhem para isto de forma estratégica”
Laranja Pontes
Presidente do IPO-Porto

“Neste, como em muitos outros casos no sector da Saúde, a despesa é um investimento e até uma poupança”
Maria Antónia Almeida Santos
Vice-presidente da comissão parlamentar de Saúde

O segundo de três debates de “Tenho Cancro. E Depois?” — iniciativa dinamizada pela SIC Notícias e Expresso, em parceria com o grupo farmacêutico Novartis — realizou-se quinta-feira no IPO do Porto. Em discussão os “Desafios da Inovação em Encologia”. O vídeo da conferência está disponível no Facebook do Expresso. Junte-se a esta iniciativa AQUI.

Textos originalmente publicados no Expresso de 15 de setembro de 2018