Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Furacão Helene afasta-se dos Açores

O IPMA prevê uma melhoria gradual do estado do tempo nos Açores, à medida que o ciclone Helene se afasta do arquipélago

A tempestade tropical Helene, que se previa passar muito perto das ilhas do grupo ocidental (Flores e Corvo) do arquipélago dos Açores durante a madrugada de hoje, está a afastar-se do território, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

O IPMA prevê uma melhoria gradual do estado do tempo nos Açores, à medida que o ciclone Helene se afasta do arquipélago.
Pelas 00:00 (mais uma hora em Lisboa), o centro da tempestade tropical localizava-se a 105 quilómetros a norte-nordeste da ilha das Flores, com deslocamento a cerca de 39 quilómetros por hora, indicou o IPMA no último comunicado enviado às redações.

O alerta vermelho nas ilhas das Flores e Corvo, no Grupo Ocidental, foi retirado às 00:00 (mais uma hora em Lisboa), mas mantém-se o aviso amarelo relativo à precipitação e ao vento.

A aproximação da tempestade tropical, que durante a semana chegou a ter o nível de furacão de categoria 2, fez-se sentir durante o dia de sábado, com a ocorrência de precipitação forte e do aumento da intensidade do vento e da agitação marítima.

Até às 20:00 de sábado não havia registo de ocorrências nas ilhas do grupo ocidental, depois de os meios destacados no terreno terem feito uma inspeção aos pontos considerados mais críticos, nas estradas e nas linhas de água.

O agravamento do vento, da precipitação e da agitação marítima também se sentiu no grupo central -- Terceira, Graciosa, Pico, Faial e São Jorge -, embora com menor intensidade, enquanto as ilhas do grupo oriental -- São Miguel e Santa Maria -- deverão ser as menos afetadas.

A Proteção Civil dos Açores está de prevenção, com um reforço dos meios humanos no grupo ocidental, tendo sido enviado um dispositivo operacional e uma equipa da Direção Regional de Saúde.

Aos habitantes das ilhas, a Proteção Civil recomenda que não obstruam estradas e linhas de água, não deixem objetos soltos, que fechem janelas e portas, não façam viagens durante o pico da tempestade e não fiquem na orla costeira.

Em Macau, os Serviços Meteorológicos e Geofísicos (SMG) hastearam hoje às 11:00 (04:00 em Lisboa) o sinal 10 de tempestade tropical, o máximo na escala de alerta, com a aproximação do tufão Mangkhut.

Às 11:00, o Mangkhut, agora considerado pelos SMG um tufão severo devido a um ligeiro enfraquecimento, encontrava-se a 160 quilómetros de Macau, prevendo-se que esteja no seu ponto mais próximo do território, a 70 quilómetros de distância, pelas 12:00 (05:00 em Lisboa).

Os mesmos serviços preveem, nas próximas horas, inundações graves nas zonas baixas, chuvas fortes e ventos que podem superar os 118 quilómetros por hora.

O alerta vermelho de "storm surge" (maré de tempestade) continua em vigor e a subida do nível da água pode atingir os 2,5 metros, indicaram.
A tempestade tropical, que passou primeiro nas Filipinas, causou 25 mortos nesses país e um em Taiwan, de acordo com o último balanço das autoridades.