Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Buscas da PJ na Câmara de Pedrógão Grande

MIGUEL PEREIRA DA SILVA/LUSA

Inspetores da Polícia Judiciária encontram-se nas instalações da autarquia. Em causa suspeitas de irregularidades na reconstrução das casas afetadas pelos fogos. PJ garante ao Expresso: "Esta investigação será realizada num curto espaço de tempo". Autarquia diz que as buscas foram feitas a seu pedido

A Polícia Judiciária está a realizar buscas na Câmara Municipal de Pedrógão Grande e na Casa da Cultura do município, onde funciona o gabinete do Fundo REVITA para a reconstrução das casas destruídas em 2017. Uma informação avançada pela TVI e confirmada pelo Expresso.

Em causa está a investigação às alegadas fraudes na reconstrução das casas destruídas pelos incêndios do verão do ano passado na região. Mais concretamente para casas de segunda habitação, ou mesmo desabitadas, que podem ter recebido indevidamente verbas do fundo Revita.

Ao Expresso, uma fonte oficial da Polícia Judiciária garante que "esta investigação será realizada num curto espaço de tempo".

O processo, que não tem arguidos constituídos, está agora em segredo de justiça. O Expresso sabe que até o sótão da autarquia foi alvo das revistas policiais.

Em comunicado, a autarquia garante que os "inquéritos judiciais" estão a ser realizados a seu pedido. "Na sequência dos pedidos de inquérito judicial solicitados pela câmara de Pedrógão ao MP, através da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, elementos da PJ deslocaram-se já hoje aos respetivos paços do concelho, estando a ser recebidos pelo seu presidente, Valdemar Alves, a fim de serem municiados de todos os documentos julgados necessários para o apuramento total dos factos."

A autarquia, ainda de acordo com a nota, "congratula-se com a celeridade que os serviços do MP e da PJ entenderam conceder a estes inquéritos".

Presidente assina petição

Há dois dias, o presidente do município, Valdemar Alves, negou publicamente a existência de irregularidades, admitindo no entanto falhas pontuais na instrução dos processos. "Tudo o que está reconstruído foram casas que arderam. A Câmara de Pedrógão Grande não recebeu um centavo para a reconstrução das casas. É tudo mentira aquilo que dizem. Não houve desvios nenhuns nem podia haver".

Garantiu que não se iria demitir e anunciou que ia assinar uma petição contra alegadas fraudes com ajudas à reconstrução de casas. Mais de 3800 pessoas já tinham assinado até esta segunda-feira a petição pública na internet.

A Visão e TVI denunciaram ao longo das últimas semanas eventuais fraudes na atribuição de subsídios para a reconstrução das casas destruídas pelos incêndios.

O grande incêndio que deflagrou em 17 de junho de 2017, em Escalos Fundeiros, concelho de Pedrógão Grande, e que alastrou depois a concelhos vizinhos, provocou 66 mortos e 253 feridos, sete deles com gravidade, tendo destruído cerca de 500 casas, 261 das quais eram habitações permanentes, e 50 empresas.

O inquérito relacionado com os incêndios de Pedrógão Grande conta com 18 arguidos mas nem todos vão ser acusados. Este sábado, o Expresso revelou que acusação do DIAP de Leiria estará pronta no prazo máximo de duas semanas. Em causa estão crimes de homicídio por negligência e ofensas corporais agravadas.

[atualizado às 14h32]