Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

O dia em que o fogo destruiu a Faculdade de Ciências de Lisboa, um desastre que todos sabiam que ia acontecer

Na madrugada de 18 de março de 1978, o fogo destruiu o Museu de História Natural e a Faculdade de Ciências de Lisboa. Mesmo ao lado do Jardim Botânico da cidade

ARQUIVO A CAPITAL/IP

Há 40 anos, António Ramalho Eanes, na altura Presidente da República, foi acordado a meio da noite com um alerta de um violento incêndio na Faculdade de Ciências de Lisboa. Foi imediatamente para o local e foi ele quem deu a ordem para se destruir a parte cimeira do portão de entrada que impedia a passagem da viatura dos bombeiros. No dia em que 200 anos da História do Brasil foram consumidos pelas chamas no Museu Nacional do Rio de Janeiro, o Expresso recorda o incêndio que destruiu para sempre peças museológicas, laboratórios, livros e equipamentos no Museu de História Natural e da Ciência. Aconteceu a 18 de março de 1978

Há 40 anos, “os bombeiros sapadores só faziam vistoria a edifícios, a pedido dos responsáveis desses mesmos edifícios”, conta ao Expresso o ex- Presidente da República António Ramalho Eanes. O general – eleito PR em 1976 – vivia com a família no Palácio de Belém, para onde se mudara por questões de segurança. Já estava a dormir quando a polícia o alertou para a existência de um “grande incêndio. Decidi ir de imediato para o local, para ver se haveria algo a fazer além do trabalho dos bombeiros; em situações complicadas é bom haver alguém que tome decisões em momentos de indecisão”. Foi o que aconteceu. Quando Eanes chegou ao local e foi informado de que a viatura dos bombeiros não entrava no recinto por causa da parte cimeira do portão, limitou-se a dizer: “Derrubem aquilo.”

O alerta de fogo foi dado à 1h12 da madrugada de sábado, 18 de março. Os matutinos e vespertinos desse dia deram grande destaque ao incêndio. Páginas de “A Capital” e do “Diário Popular”

O alerta de fogo foi dado à 1h12 da madrugada de sábado, 18 de março. Os matutinos e vespertinos desse dia deram grande destaque ao incêndio. Páginas de “A Capital” e do “Diário Popular”

Fotos HEMEROTECA MUNICIPAL DE LISBOA

Quem hoje visite as instalações da Rua da Escola Politécnica, do Museu de Ciência ao Museu de História Natural ou ao Laboratorio Chimico, não tem ideia da dimensão do incêndio, nem do património que se perdeu, entre peças museológicas, laboratórios, livros e equipamentos. Quem conheceu as instalações da Faculdade de Ciências da época reconhece que nem era preciso um atentado para haver uma desgraça. Para Lucília Carvalho, na altura ali assistente, “era um desastre à espera de acontecer”. Fazia parte da comissão paritária de gestão da faculdade eleita depois do 25 de Abril de 1974 e, tendo inspecionado com os seus colegas os sótãos do edifício, deparou com “muita madeira velha e um cenário de barril de pólvora”. Foram chamados os bombeiros que elaboraram um relatório confirmando os piores receios da comissão. “Não resolveu nada mas quando se deu o incêndio pelo menos tivemos a consolação de ter chamado a atenção para o perigo”, lembra Lucília Carvalho. “Lembro-me de um peixe enorme pendurado à entrada do Museu de História Natural. Era extraordinário mas tudo aquilo cheirava a velho e não tinha nada a ver com as condições de segurança dos museus atuais”, recorda Glória Ramalho que presidira à direção da Associação de Estudantes antes do 25 de Abril.

“Aspeto do que resta de um dos laboratórios de Física situado no primeiro andar do edifício sinistrado”, era a legenda desta foto na edição de “A Capital” de dia 18

“Aspeto do que resta de um dos laboratórios de Física situado no primeiro andar do edifício sinistrado”, era a legenda desta foto na edição de “A Capital” de dia 18

Foto ARQUIVO A CAPITAL/IP

O alarme foi dado por um telefonema feito à 1h12 da madrugada de 18 de março para a central telefónica do Comando do Batalhão de Sapadores Bombeiros. Pela leitura do relatório a que o Expresso teve acesso, sabe-se que o telefonema foi feito por uma “senhora muito aflita” que disse chamar-se Manuela Lamas. O telefonista de serviço aos bombeiros “olhou na direção da Faculdade, viu um enorme clarão, pelo que teve a perceção de que se tratava de um incêndio de grandes dimensões”.

Faculdade com o telefone desligado

Manuela Lamas não tinha nada a ver com a Faculdade; o incêndio foi detetado por um dos guardas que de imediato se deslocou ao PBX [nome dado às centrais telefónicas com um sistema de cavilhas]. O telefone estava desligado e o guarda foi para o portão do edifício pedir a quem passava na rua que ligasse para os bombeiros. O telefonema terá sido feito por uma moradora da zona ou por alguém num café das redondezas.

O fogo terá começado num dos vários pavilhões prefabricados montados nos espaços vazios da faculdade, numa tentativa de adaptar as velhas instalações à massificação do ensino universitário dos anos 70. Terá sido numa destas construções em madeira, afeta à área de Matemáticas, que o fogo começou.

O que aconteceu na Rua da Escola Politécnica – que liga o Largo do Rato ao Príncipe Real – prefigurava o que viria a repetir-se no incêndio do Chiado dez anos depois [25 de agosto de 1988]: uma malha densa de construções antigas com travejamentos e pavimentos em madeira ressequida, acumulação de carga térmica, inexistência de sistemas de deteção e extinção automática, obstáculos à movimentação de bombeiros e viaturas; de tal forma que foi preciso o Presidente em exercício dar ordem para derrubar o obstáculo à entrada das viaturas dos bombeiros na Faculdade.

Eanes lembra a ação da Professora Marieta

Eanes destaca o papel de uma professora que deu informações fundamentais para encaminhar os bombeiros para os laboratórios de Química onde existiam produtos explosivos e radioativos. Marieta da Silveira era “uma mulher impressionante”, lembra o ex-Presidente da República.
A presença de Ramalho Eanes acabou por ser providencial. “Havia muitos materiais perigosos, inclusivamente radioativos, no Laboratório Químico, coisa para a qual a professora Marieta da Silveira tentara em vão alertar os bombeiros. Só quando falou com o Presidente é que estes a passaram a ouvir”, conta Lucília Carvalho.

Nessa mesma noite, a professora Marieta – que ainda hoje é recordada por Maria Emília Brederode dos Santos que morava nas imediações da Faculdade – disse à agência de notícias ANOP que “era mais do que previsível que o edifício viesse a ser destruído por um incêndio”.

Primeira página do “Diário Popular” de 18 de março

Primeira página do “Diário Popular” de 18 de março

Foto HEMEROTECA MUNICIPAL DE LISBOA

José Leite Pereira, antigo diretor do “Jornal de Notícias”, hoje reformado, era na altura repórter do “Diário Popular”: “Estava em casa de uns amigos com o Nelson Veiga [repórter do 'Popular'] e já não me lembro se ouvimos a notícia na rádio ou se alguém telefonou, mas largámos a correr para a Politécnica e fomos os primeiros jornalistas a chegar lá.”

“A imagem mais forte que retive foi o general Eanes entrar por ali dentro, saltando por cima de barrotes queimados e indo lá para o meio. Não era coisa que associássemos a um Presidente da República mas ele era militar e estava habituado àquelas coisas,” conta José Leite Pereira, que passou a noite no local.

O jornalista evoca uma noite inteira de reportagem, publicada na edição desse sábado do vespertino, num trabalho de duas páginas co-assinado com Nelson Veiga. Era um cenário de grande confusão no combate às chamas e enormes dificuldades para trabalhar, dadas as restrições de acessos impostas pela polícia. O próprio professor António Galopim de Carvalho teve que enganar guardas teimosos que não queriam saber se ele era catedrático ou não e esgueirar-se para dentro do edifício através de uma porta que só ele conhecia.

Primeira página do “Diário de Notícias” de 18 de março

Primeira página do “Diário de Notícias” de 18 de março

oto HEMEROTECA MUNICIPAL DE LISBOA

Evitou-se uma tragédia ainda maior mas é plausível pensar que a consequência da concentração de meios à volta da Química possa ter sido a quase total destruição das áreas dedicadas à Matemática, Zoologia e Mineralogia. Pelo meio houve episódios memoráveis como o do professor Galopim, um bombeiro e um contínuo com mantas pela cabeça a fazerem idas e vindas para salvar livros raros. Do outro lado da faculdade, o professor Francisco Carrapiço conseguia, através de uma janela, passar para a estufa do Jardim Botânico preparações para o microscópio eletrónico e muito material da Botânica.

No site da FCUL os leitores podem ver um vídeo de 27 minutos

Neste vídeo, entre muitas outras coisas, o professor Filipe Duarte Santos, da [área de] Física conta como naquela noite ficou sem sapatos. A professora Maria João Colares Pereira perdeu a tese de doutoramento que deixara por acabar em cima da mesa do gabinete. E só não se perdeu um livro acabado de fazer pelo professor Carlos Teixeira porque – já praticamente cego − como tinha “com uma memória de cavalo” no dizer do seu colega Galopim, voltou a ditar capítulo por capítulo.

Como se escreveu na altura, um saber acumulado ao longo de séculos desapareceu numa noite mas, apesar de tudo, a sorte não nos abandonou totalmente. Eanes faz questão de lembrar que o “Museu de História Natural era único a nível europeu”.

Felizmente, que uma parte do que se perdeu na área da Mineralogia e Geologia tinha equivalente na coleção do Museu Geológico que ainda hoje podemos visitar na Rua da Academia das Ciências. Integrado no Museu de Ciência, o Laboratorio Chimico foi recuperado em 2007. Algumas das melhores exposições sobre dinossáurios têm passado pelo Museu Nacional de História Natural que, juntamente com o Jardim Botânico e o referido Museu de Ciência, ocupam hoje as instalações da Rua da Escola Politécnica, contíguas ao Jardim Botânico de Lisboa.

Um ano depois, os prejuízos foram avaliados no equivalente a sete milhões e quinhentos mil euros, como se pode ler nesta informação

Um ano depois, os prejuízos foram avaliados no equivalente a sete milhões e quinhentos mil euros, como se pode ler nesta informação

d.r.

Em 1978 os tempos eram politicamente agitados e o incêndio da Faculdade, tida como um reduto das esquerdas, chegou a ser reivindicado por um grupo armado de extrema-direita, o CODECO (Comandos Operacionais de Defesa da Civilização Ocidental), responsável, entre 1975 e 1982, por uma longa lista de ataques à bomba e a tiro contra esquadras da polícia, sedes de partidos de esquerda ou instalações militares. Em 1982, “O Diário”, matutino próximo do PCP, viria a publicar uma entrevista com um recluso de Pinheiro da Cruz que se apresentou como ex-operacional da organização e se disse traído pelos partidos de direita como o CDS, em consonância com os quais fizera atentados bombistas e outras ações armadas durante o PREC (1974/75).

Imagem do interior da Faculdade de Ciências de Lisboa na Rua da Escola Politécnica

Imagem do interior da Faculdade de Ciências de Lisboa na Rua da Escola Politécnica

Foto ARQUIVO A CAPITAL/IP

“Os bombeiros fizeram um trabalho excecional”, diz o ex-Presidente da República: “Somos bons a apagar fogos mas não a evitar a deflagração de fogos. O papel dos políticos é estarem atentos a áreas estratégicas”, acrescenta Ramalho Eanes.

O incêndio acelerou, ainda que moderadamente, o processo das novas instalações da Faculdade de Ciências no Campo Grande. É neste complexo, no átrio do Edifício C6, que está patente desde quarta-feira passada e até dia 23 de março a exposição “Incêndio em Ciências, 40 Anos Depois”.

[Este texto foi originalmente publicado pelo Expresso a 18 de março de 2018]

  • Se foi fogo posto, o autor nunca foi descoberto

    A investigação da Polícia Judiciária seguiu algumas pistas sobre possíveis autores do incêndio na Rua da Escola Politécnica. Da extrema-direita ao mecânico de automóveis contratado na “Brasileira”, e que acabou por fugir para Salamanca. Nada se provou. Quarenta anos depois, o mistério não foi esclarecido