Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Mistério da biodiversidade desvendado por cientistas da Fundação Champalimaud

Costa do Sudão, Mar Vermelho: a resolução do paradoxo da biodiversidade poderá ser a chave para os cientistas entenderem o processo de extinção das espécies

getty

Um novo modelo matemático revela que a biodiversidade tem um crescimento exponencial com o aumento do número de recursos naturais disponíveis

Virgílio Azevedo

Virgílio Azevedo

Redator Principal

Chama-se paradoxo da biodiversidade e é considerado pelos cientistas um dos maiores quebra-cabeças da ecologia: como é possível que um número limitado de recursos naturais consiga sustentar uma grande diversidade de espécies na Terra?

A teoria prevê que o número de espécies tem de ser igual ao número de tipos de recursos disponíveis nos ecossistemas, mas a realidade mostra que não é isso que acontece. Este paradoxo é também conhecido por paradoxo do plâncton, porque é muito bem ilustrado pelos ecossistemas de plâncton, o conjunto muito diversificado de pequenos organismos que vive em grandes extensões de água do mar mas não é capaz de nadar contra a corrente. E que é uma fonte de alimento fundamental para grandes organismos aquáticos como os peixes e as baleias.

Com efeito, existem menos de dez recursos naturais que permitem o desenvolvimento do plâncton, como a luz do Sol, o carbono, o fósforo, o azoto ou o ferro, mas a verdade é que centenas de espécies existentes nestes ecossistemas conseguem prosperar sem que nenhuma delas leve as outras à extinção.

Mas uma equipa da Fundação Champalimaud desenvolveu um novo modelo matemático que poderá resolver o paradoxo da biodiversidade, tendo publicado esta quarta-feira os resultados da sua investigação num artigo na revista científica britânica “Proceedings of the Royal Society B”.

Crescimento exponencial

Este modelo, baseado na teoria dos jogos, revela que a biodiversidade tem um crescimento exponencial com o aumento do número de recursos naturais disponíveis. Andres Laan, o primeiro autor do artigo, explica o que se passa: “com um recurso, duas espécies conseguem coexistir; com dois recursos, quatro espécies; com quatro recursos, 16 espécies; e com dez recursos, obtemos mais de 1000 espécies a coexistir”. Ou seja, “o crescimento exponencial é muito rápido, fornecendo portanto uma boa forma de manter a biodiversidade”.

Os modelos clássicos de competição pelos recursos naturais preveem que cada recurso irá sustentar a espécie que o consuma com mais eficiência, conduzindo assim as espécies concorrentes à extinção. Mas o que acontece na Natureza é precisamente o contrário, como provam os cientistas da Fundação Champalimaud: a ordem de grandeza do número de espécies é substancialmente maior.

A equipa da Fundação, liderada por Gonzalo de Polavieja, considera que a resolução do paradoxo da biodiversidade poderá ser não apenas a chave para os cientistas compreenderem esta realidade, mas também para entenderem o processo de extinção das espécies e prever as tendências futuras da evolução animal.

“Estas ideias ainda são em grande parte teóricas e precisamos de testar até que ponto os mecanismos de competição propostos no nosso artigo descrevem corretamente o que se passa na competição entre espécies reais”, avisa Andres Laan. “Mas estes primeiros resultados parecem bastante promissores”.