Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Estudo revela que os Açores já eram habitados há 1000 anos

Félix Rodrigues (Universidade dos Açores) mostra um local já estudado

D.R.

Cientistas portugueses dataram por carbono-14 material vulcânico na ilha Terceira, acumulado durante séculos em sulcos de rodas no solo rochoso

Virgílio Azevedo

Virgílio Azevedo

Redator Principal

A atividade humana existe pelo menos desde o século XI na ilha Terceira, Açores, revela um estudo inédito sobre os materiais vulcânicos acumulados nas relheiras da Passagem das Bestas, localizada na Caldeira Guilherme Moniz, no lugar do Cabrito, mesmo no centro da ilha. As relheiras são sulcos deixados no solo rochoso mais plano devido à passagem de rodas de carro. Na Terceira estão identificadas 26 e algumas delas vão parar ao mar, mas há em todas as nove ilhas do arquipélago.

O estudo acaba de ser publicado na revista científica internacional “Archaeological Discovery” por uma equipa liderada por António Félix Rodrigues, professor da Faculdade de Ciências Agrárias e do Ambiente da Universidade dos Açores, da qual fazem parte dois investigadores da mesma faculdade, Fábio Cardoso e João Madruga, e ainda Nuno Martins, da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa.

Os investigadores concluem que “comparando referências históricas com dados geológicos e pedológicos (dos solos) e análise física, encontramos evidências que apontam para as relheiras da Passagem das Bestas terem pelo menos 1000 anos” — mais de 400 anos antes da data oficial da chegada dos navegadores portugueses ao Açores, em 1431 —, o que significa que “não parecem ser romanas ou portuguesas”.

Sistema de irrigação?

Os parâmetros topográficos das relheiras “mostram claramente que os sulcos não foram feitos para conduzir fluxos de água para determinados locais”. Tendo em conta “a humidade e os padrões das chuvas na Terceira, bem como o perfil do solo na Caldeira Guilherme Moniz — a maior cratera de vulcão (já extinto) na Terceira, com uma entrada de 15 km de diâmetro —, não eram necessários sistemas de irrigação para a agricultura naquele lugar, assumindo que o clima nunca mudou, sendo o mesmo descrito pelo historiador Gaspar Frutuoso (século XVI) quando os primeiros colonos chegaram aos Açores”, consideram os cientistas. Aliás, “os sulcos correm paralelos a uma linha de água natural”.

Sulcos de rodas de carro na rocha cruzam toda a ilha Terceira

Sulcos de rodas de carro na rocha cruzam toda a ilha Terceira

d.r.

O objetivo central da equipa de Félix Rodrigues era estudar e datar por carbono-14, no Beta Analytic Lab (Miami, EUA), os materiais vulcânicos depositados sobre as relheiras da Passagem das Bestas, na sequência da decisão da Câmara Municipal de Angra do Heroísmo de as limpar para aproveitamento turístico. Com efeito, esses materiais, com acumulações de 50 centímetros a dois metros de espessura, eram compatíveis com o mapa de distribuição de cinzas provenientes da última erupção do vulcão do Pico Alto, que aconteceu há cerca de 1000 anos.

Nem pedra nem madeira

Mas era inevitável a discussão sobre a origem dos misteriosos sulcos que cruzam o solo rochoso em toda a ilha Terceira. Primeiro mistério: o que transportavam os carros que passaram continuamente, durante séculos, por estes caminhos de basalto? Pedra? Madeira? Produtos agrícolas? “Não sabemos”, reconhece António Félix Rodrigues. “A Passagem das Bestas, com mais de 300 metros de comprimento, é o único sistema de relheiras datado com rigor, mas se havia transporte de pedra nada foi detetado, ou seja, não se conhecem pedreiras naquela região”. E como há pedra em toda a ilha, “não faz sentido realizar este tipo de transporte”. A única hipótese seria “a obsidiana que existe naquela zona, rocha de grande valor comercial em qualquer época como pedra preciosa e para fabricar instrumentos cortantes. Mas nunca daria para a extração em larga escala que justificasse um transporte continuado ao longo de muitos anos e deixasse sulcos no basalto”, argumenta o professor da Universidade dos Açores, embora admita que a erupção vulcânica que cobriu as relheiras possa ter tapado eventuais pedreiras na área envolvente.

“A nossa análise parece confirmar uma importante observação feita por Francisco Ferreira Drummond, a maior autoridade e o historiador mais completo da ilha Terceira”, constata o estudo agora publicado. O historiador, que viveu no século XIX, concluiu na sua obra “Annaes da Ilha Terceira” (1859) que as relheiras encontradas na Terceira não foram feitas depois da chegada dos portugueses, mas por outra população humana que viveu na ilha antes de 1431. Curiosamente, o naturalista Charles Darwin, quando visitou durante seis dias o interior da Terceira em 1836, no regresso da sua célebre viagem ao arquipélago das Galápagos no navio “Beagle”, achou estranho que as relheiras da Passagem das Bestas fossem muito semelhantes às existentes no tempo dos romanos, no pavimento antigo de Pompeia, em Itália. Félix Rodrigues adianta que têm a mesma complexidade das relheiras milenares da ilha de Malta, no Mediterrâneo.

O professor apostou na investigação interdisciplinar. Foi por isso que Nuno Martins, especialista em História Económica, acabou por integrar a sua equipa. “São temáticas muito diversas daquelas sobre as quais tenho trabalhado”, conta o economista. “Mas durante uma investigação sobre as origens do capitalismo moderno, interessei-me pelo papel de Angra do Heroísmo nas rotas comerciais dos séculos XVI e XVII e li alguns cronistas e historiadores para melhor perceber esta temática, como Ferreira Drummond, bem como a passagem sobre a ilha Terceira de Charles Darwin, autor que tenho lido para melhor perceber a corrente evolucionista na economia.”

A hipótese do transporte de madeira na Passagem das Bestas “também é difícil de explicar”, considera Félix Rodrigues. A madeira mais apreciada, o cedro-do-mato, “nunca seria suficiente naquela zona para justificar um transporte regular, continuado, durante séculos”. Por outro lado, os dados históricos existentes, em particular os relatos de Ferreira Drummond, não referem a existência de uma exportação intensiva de madeira para o continente. “As relheiras não vão ligar o centro da ilha a nenhum porto, nomeadamente no sentido de Angra do Heroísmo, o melhor porto natural da Terceira”, assinala o professor da Universidade dos Açores.

Animais ou pessoas?

Segundo mistério: o artigo da “Archaeological Discovery” diz que “a irregularidade da superfície do solo rochoso onde as relheiras existem aponta para uma explicação diferente do uso extensivo de carros de bois”, como afirmam os historiadores. “Parece difícil para animais com cascos como bois, cavalos ou burros, moverem-se através desta superfície irregular com o declive existente no local.” Nos Açores, os carros de bois eram puxados por dois animais, “mas na Passagem das Bestas parte do sistema de relheiras apenas permite a passagem de um animal”.

Seriam então puxados por pessoas? Os investigadores dizem que sim: “apenas seres humanos podiam ter usado as relheiras”. E descobriram que a distância entre os seus sulcos paralelos é variável, o que os torna incompatíveis com a passagem de carros puxados por animais onde, obviamente, os eixos das rodas não eram extensíveis. Félix Rodrigues reconhece, por isso, que “continua em aberto uma explicação cabal do traçado, das distâncias entre sulcos e da sua profundidade, que varia entre os três e os 40 centímetros”.