Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Deputado do PS diz que a despenalização da eutanásia ocorrerá "mais cedo ou mais tarde"

nuno botelho

O deputado do PS Pedro Delgado Alves considerou este sábado "claríssimo" que a despenalização da eutanásia é um passo que "será dado mais cedo ou mais tarde", defendendo a necessidade de "reforçar a posição maioritária" no próximo quadro parlamentar

No segundo dia do Fórum Socialismo 2018, a 'rentrée' política do BE que decorre até em Leiria, "Pelo direito à morte assistida" era um dos debates mais esperados, contando com a participação do deputado único do PAN, André Silva, do deputado do PS Pedro Delgado Alves e do médico Bruno Maia, do Movimento Cívico para a Despenalização da Morte Assistida.

"As próximas eleições legislativas necessariamente não vão ser sobre este único tema e, portanto, não há aqui um nexo causal imediato, mas é claríssimo para todos que está enraizada na matriz e nos programas de quem os apresentou de que este passo [a despenalização da eutanásia] será dado mais cedo ou mais tarde", antecipou Pedro Delgado Alves.

O deputado socialista considerou que em termos futuros — depois da despenalização da eutanásia ter sido chumbada no parlamento no final de maio — "a sociedade civil é um elemento mobilizador fundamental", sendo preciso "reforçar a posição maioritária no quadro parlamentar que se segue".

Para Pedro Delgado Alves, "a votação parlamentar renhida" de dia 29 de maio dos quatro projetos de lei de PS, BE, PEV e PAN "foi bem reveladora de que pode não existir ainda um consenso parlamentar materializado numa maioria parlamentar, mas que ele ultrapassa as fronteiras dos partidos".

"E é revelador já de um debate que a sociedade civil teve e que está a contaminar os vários partidos", considerou, dando o exemplo do PSD, em que "muitos dos seus deputados e dos seus dirigentes publicamente tomaram posição" a favor da eutanásia.

O médico Bruno Maia começou a sua intervenção por tornar pública uma conversa que teve, no final de um debate televisivo no dia do chumbo da despenalização da eutanásia, com o antigo bastonário da Ordem dos Médicos José Manuel Silva.

"Após muita discussão puxou-me de parte e disse-me: 'Se algum dia chegar, enquanto medico, às situações em que você descreve de pessoas em estados críticos, terminais, em sofrimento absoluto que a medicina não conseguiu resolver, é muito simples, diz a essa pessoa que compre uma caixa de calmantes, vai para casa, toma a caixa toda de calmantes, meta uma sinfonia do Beethoven e assim morrerá em casa em paz'", relatou.

Bruno Maia considera que esta sugestão do seu oponente, "que era contra qualquer um destes projetos de lei", revela "exatamente o que está na génese do pensamento conservador ou proibicionista", em que uma "classe privilegiada" tem acesso a médicos para tomar determinadas decisões, enquanto tem que "haver uma regulação e uma tutela do povo iletrado".

Para o médico deste movimento pela despenalização da eutanásia, foram usados "argumentos de perdedores" nas declarações da líder do CDS-PP, quando acusou o primeiro-ministro de querer usar a eutanásia para poupar dinheiro ao Serviço Nacional de Saúde ou no conhecido cartaz "por favor não matem os velhinhos".

Bruno Maia fez questão de dizer que todo este debate sobre a despenalização da eutanásia "só aconteceu em Portugal e tudo isto só é possível graças ao trabalho de três pessoas que são a Laura Ferreira Alves, o João Ribeiro dos Santos e o 'nosso' João Semedo".

Precisamente na primeira fila a assistir a este debate estava Ana Maria Brito, a viúva do ex-coordenador do BE João Semedo, que morreu a 17 de julho deste ano depois de uma batalha contra o cancro.