Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Combate em Monchique vai ser reforçado com dois aviões Canadair de Espanha

RAFAEL MARCHANTE/REUTERS

Durante a manhã, os meios aéreos estiveram impossibilitados de atuar, devido ao intenso fumo originado pelo incêndio, mas prevê-se que comecem a atuar logo que o fumo se dissipe

O combate às chamas em Monchique vai ser reforçado com dois aviões Canadair disponibilizados pelo Governo espanhol, que poderão começar a atuar já durante a tarde desta segunda-feira, disse o secretário de Estado da Proteção Civil.

"Neste momento, o Governo espanhol já disponibilizou dois Canadair. Caso haja condições de atuar, hoje mesmo à tarde, provavelmente, já cá teremos os dois", adiantou Artur Neves aos jornalistas, durante um balanço da situação do incêndio, perto das 10h desta segunda-feira.

Durante a manhã, os meios aéreos estiveram impossibilitados de atuar, devido ao intenso fumo originado pelo incêndio, mas prevê-se que comecem a atuar logo que o fumo se dissipe, disse na ocasião o segundo comandante operacional distrital, Abel Gomes.

A falta de visibilidade também dificultou a avaliação das áreas afetadas pelo fogo por parte das autoridades, que ao início da manhã realizaram um voo de reconhecimento sobre a serra de Monchique.

"O reconhecimento aéreo não nos permitiu ver muito aquilo que nós, em pormenor, queríamos ver, porque o fumo não permitia. Fizemos um reconhecimento muito mais alargado do que aquilo que era o objetivo, em termos de distância", sublinhou.

Questionado pelos jornalistas sobre a defesa das habitações perante o avanço do fogo, Artur Neves disse que a proteção junto às casas foi feita, admitindo que algumas poderão ter sido afetadas e sublinhando que a prioridade é a proteção da vida das pessoas.

"Poderá ter acontecido [habitações afetadas pelo fogo], mas a remoção das pessoas, a proteção da sua vida era a matriz principal da orientação que tinha sido dada", referiu.

O governante enalteceu o empenho de todas as estruturas de Proteção Civil e restantes autoridades, que conseguiram "ir de casa a casa procurando remover de forma atempada os cidadãos que pudessem correr riscos".

Relativamente à área ardida, o governante disse apenas que se trata, seguramente, de uma área "grande", embora não seja possível precisar a extensão afetada, nem seja essa a prioridade.

"Não nos parece que seja muito importante perceber qual é a área, é grande, seguramente, mas não sabemos ainda com total rigor", concluiu.

Às 12h o incêndio que pelo quarto dia lavra em Monchique estava a ser combatido por 1160 operacionais, apoiados por 357 viaturas.

A Lusa não conseguiu confirmar se já estão entretanto reunidas as condições de segurança para a atuação dos meios aéreos.