Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Restaurante de José Avillez no Dubai abre no início do ano

Tiago Miranda

O mais aclamado cozinheiro português abre um restaurante a cada dois meses. Em 2018, vai regressar a Cascais com dois projetos e prepara-se para entrar no Dubai. Numa extensa entrevista a publicar este sábado na Revista do Expresso, abre o livro de receitas do seu sucesso e explica como a psicanálise o ajudou a ultrapassar a morte do pai quando tinha sete anos

Chama-se Tasca, será um dos oito restaurantes e bares do novo hotel Mandarin Oriental Jumeirah, no Dubai, e tem inauguração marcada para o primeiro trimestre de 2019, confirmou ao Expresso José Avillez. Numa extensa entrevista de vida a publicar este sábado na Revista, o mais conceituado cozinheiro português levantou um pouco o véu sobre aquela que será a sua primeira aventura no estrangeiro, mas que não deverá ser a única. "Há dois conceitos que temos em Portugal e que acho que fazem sentido lá fora. Um deles é a Tasca, que é um bocadinho do Mini Bar e do Pátio [um dos quatro restaurantes do Bairro do Avillez, em Lisboa]. O outro é o Cantinho do Avillez. Tenho as coisas já mais ou menos trabalhadas na minha cabeça".

Quando for inaugurada, a Tasca será, muito provavelmente, o 21º restaurante do vasto império de Avillez, que em 2018 tem aberto um negócio a cada dois meses, o último dos quais, o Cantinho do Avillez no Porto, já este mês. Até ao final do ano, está previsto o regresso do chefe de cozinha a Cascais, onde nasceu há 37 anos: vai abrir um restaurante de peixe e marisco no lugar do antigo Raio Verde, na estrada do Guincho, e preparou um novo conceito para o espaço do Lucullus, outro restaurante histórico. "Faz parte de uma estratégia e diversificação, de chegada a novos públicos com ofertas diferentes."

Nesta conversa de quatro horas com o Expresso, Avillez fala ainda de uma infância que não lhe deixou saudades devido à morte do pai, dos anos de psicanálise que o ajudaram a ultrapassar esses tempos e lhe fizeram despertar a criatividade, da amizade "boa mas tensa" com Ljubomir Stanisic, do papel da família Arié nos negócios do grupo e da ambição de conquistar a terceira estrela Michellin para o Belcanto, entre muitos outros assuntos.

Leia a entrevista este sábado na Revista do Expresso.

  • Chefe mas pouco (ou o fabuloso destino do homem que apenas quer ser cozinheiro)

    Vítor Sobral é o principal responsável pela modernização da cozinha portuguesa. Com ele, os pratos tradicionais tornaram-se mais sofisticados e a cozinha ganhou ambição. A mesma ambição que guia Cristiano Ronaldo. Depois de ter conquistado Portugal, viajado para o Brasil e Angola, o seu grande sonho é abrir um restaurante numa grande capital europeia

  • Um cozinheiro irreverente

    A um mês de completar 50 anos, Alex Atala, o mais renomado e controverso cozinheiro do Brasil (e um dos melhores do mundo), veio a Lisboa, passou dois dias com o Expresso e falou sobre como a cozinha o faz sentir-se um super-herói

  • Anthony Bourdain (1956-2018): “Gostava de ser recordado como alguém que não era assim um tão grande sacana”

    Tinha o emprego que muitos gostariam de ter: passar 240 dias por ano a viajar pelo mundo e a provar as melhores iguarias. Conhecido pelo estilo mordaz e irreverente, o conceituado chefe norte-americano Anthony Bourdain foi um dia a Lisboa, em dezembro de 2010, gravar um episódio do seu aclamado programa "Não Aceitamos Reservas", exibido na SIC Radical. Antes de partir, aceitou sentar-se à conversa com o Expresso. E é essa conversa fundamental que recuperamos esta sexta-feira, dia em que se soube da morte de Anthony Bourdain