Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Pedrógão Grande. Câmara espera ter todas as casas reconstruídas até setembro

MIGUEL PEREIRA DA SILVA/LUSA

Autarca de Pedrógão Grande prevê que o processo de reconstrução das casas de primeira habitação esteja concluído em cerca de dois meses

A Câmara de Pedrógão Grande disse esta quinta-feira esperar que todas as casas de primeira habitação afetadas pelo incêndio de junho de 2017 estejam reconstruídas até setembro.

O processo de reconstrução das casas de primeira habitação deve estar terminado em setembro, com a conclusão da reabilitação de uma casa que "é a maior de todas e que estava muito atrasada", disse esta quinta-feira aos jornalistas o presidente da Câmara de Pedrógão Grande, Valdemar Alves.

O autarca sublinhou que havia casos de "extrema necessidade e de pobreza", em que a reconstrução não é apenas da casa mas também social.

O presidente da Câmara falava aos jornalistas no final de uma cerimónia de entrega de uma casa reconstruída com o apoio da Fundação Benfica a uma família de Vila Facaia, que, para além de ter sido afetada pelas chamas, era também "um problema social a que se tinha que dar a mão", frisou. "A reconstrução ajuda a dar mais dignidade", havendo também "uma reconstrução da vida e da família", afirmou.

Com uma bandeira do Benfica e outra do município, descerrou-se a placa a assinalar a reconstrução da casa, com a família visivelmente emocionada pelo gesto.

"Reconstruímos a casa, mas há aqui uma parte social e humana extraordinariamente importante", disse o presidente executivo da Fundação Benfica, Carlos Moia, em declarações aos jornalistas, referindo que o trabalho social continua já depois da casa inaugurada. Maria de Fátima Sousa sublinhou estar "muito agradecida" pelo apoio da Fundação Benfica à sua família.

Na sexta-feira, vai já levar "as coisas" para a sua casa reconstruída, depois de alguns meses a viver na casa paroquial.
No domingo, espera ir já dormir à sua habitação.

"Até já vou crescer mais um palmo na minha casinha", refere Maria de Fátima, salientando que, sem o apoio que recebeu, não teria "condições para recuperar" a habitação.