Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Sindicato de professores que mantém greve exige demissão de ministro e secretária de Estado

O porta-voz do S.T.O.P., Sindicato de Todos os Professores, André Pestana

RODRIGO ANTUNES/LUSA

André Pestana, da direção do Sindicato de Todos os Professores, afirmou que foi entregue um pré-aviso de greve para agosto que “impede a eventual prepotência de diretores que ousem chamar professores” para terminarem as avaliações

O Sindicato de Todos os Professores (STOP) exigiu este sábado a demissão do ministro da Educação e da secretária de Estado adjunta, mantendo que a greve dos docentes às avaliações se prolonga até 31 de julho.

André Pestana, da direção do Sindicato de Todos os Professores, disse à agência Lusa que "a greve vai continuar" até ao fim do mês e frisou que foi entregue um pré-aviso de greve para agosto que "impede a eventual prepotência de diretores que ousem chamar professores" para terminarem as avaliações, prejudicando-os no gozo de férias.

Na sexta-feira, o Ministério da Educação enviou orientações às escolas para que concluam as avaliações finais dos alunos "impreterivelmente até 26 de julho", quinta-feira, indicando que os diretores escolares só poderão autorizar as férias aos professores depois de estes entregarem todas as notas dos alunos. "Há aqui uma tentativa de questionar o direito à greve e às férias dos professores, o que é totalmente ilegal", afirmou André Pestana.

O dirigente sindical revelou que, "perante a chantagem e a gravidade de mais este ataque", o STOP "vai pedir a demissão" do ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, e da secretária de Estado adjunta e da Educação, Alexandra Leitão. "Não é sério o Governo assumir compromissos e não cumprir", referiu igualmente.

Entretanto, este sindicato nacional, com sede em Coimbra, o único que apoia a continuação da greve dos professores às avaliações, enviou às duas centrais sindicais — CGTP e UGT — e às demais organizações sindicais do setor da educação um e-mail a pedir a sua solidariedade com os docentes em greve. Para André Pestana, importa "que todo o movimento sindical tome uma posição rápida e pública" em defesa dos direitos dos professores à greve e a férias.

A lei prevê que eventuais alterações às férias, por imposição superior, implicam o "pagamento de indemnizações aos trabalhadores" por parte do Ministério da Educação, frisou André Pestana à Lusa. O STOP promoveu este sábado, nas suas instalações, em Coimbra, uma sessão pública para fazer o "ponto da situação duma greve histórica".