Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Quando o trabalho nos consome

Ilustração Alex Gozblau

Quando não existe vida além da profissional, é altura de entrar em alerta. O burnout, um esgotamento provocado pelo trabalho, pode atingir 13% dos portugueses

A vida parece perfeita vista de fora. Pedro salva vidas todos os dias. Vive entre explosões constantes de adrenalina, que se alimentam umas às outras. A sua é mais do que apenas uma profissão, é um sonho realizado que lhe dá um salário bem acima da média. Secretamente sente-a quase como um dom. No consultório que ocupa num hospital da margem Sul do Tejo, as fotografias de doentes misturam-se com os desenhos de crianças.

Ampliada, a perfeição dilui-se. As vidas são salvas no limite. No limite do cansaço, dos meios, do tempo possível para o fazer. E, de cada vez, parecia que o tempo chegava mais ao limite. O sistema ‘crashava’, as filas de espera aumentavam, os utentes desesperavam. A adrenalina e a excitação de andar a correr nos corredores do hospital transformaram-se em palpitações. As tais imagens da parede não contavam as histórias dos bastidores, do excesso de horas para conseguir salvar aquelas vidas. Sem rede de apoio. O salário que permitia a vida acima da média era uma junção de três, um no Serviço Nacional de Saúde, outros dois feitos no privado, entre consultas e urgências. De turno em turno, o trabalho tornou-se a própria vida. E o corpo e a mente chegaram ao limite. Pedro é uma das vítimas de burnout, uma síndrome de carácter psíquico que leva a um esgotamento físico e mental cujo causa é o trabalho. É uma espécie de fim de linha. Uma fadiga, dividida entre a exaustão emocional, despersonalização e falta de realização pessoal, cuja causa é o trabalho. E que impede o corpo e a mente de seguirem o rumo natural.

“De início adorava o que fazia. E fazia mais, aceitava mais trabalho, por isso mesmo, por adorar. O trabalho passou a ser tudo na minha vida. E o tudo tornava-se sempre mais. A ser feito com menos. Menos gente, menos recursos, menos colegas”, conta Pedro, 43 anos, especialista em medicina interna, agora a viver uma espécie de pausa.

Vários estudos têm demonstrado os efeitos do excesso de trabalho e do stresse em diferentes profissões. A maioria relaciona a síndrome de burnout a profissões de grande stresse e exigência, ligadas a serviços públicos. Uma análise da Unidade de Investigação em Epidemiologia, do Instituto de Saúde Pública, da Universidade do Porto, afirma que afeta todos os profissionais de saúde, independentemente do cargo e da função que desempenham. Já os dados da Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho dizem que oito em cada dez dirigentes europeus manifestaram preocupação com o stresse nas empresas. O mais recente estudo feito em Portugal, centrou-se nos professores e concluiu que mais de 65 mil docentes estão em exaustão emocional.

Leia este artigo na íntegra aqui