Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Burlas com recurso a smarthphones e tablets vão quadruplicar

Alberto Frias

A previsão da Polícia Judiciária é que em 2018 o número de burlas comuns com recurso a tecnologias de informação possa chegar às 1340. Até junho, já havia o dobro dos processos abertos do que no ano passado

O cibercrime está mais complexo. O desenvolvimento da novas tecnologias amplia as possibilidades de os criminosos praticarem mais crimes e isso traz novos desafios às autoridades. E é também por isso que se espera que este ano as burlas comuns com recurso a tecnologias de informação, como por exemplo smartphones e tablets, quadrupliquem. A previsão da Polícia Judiciária é que o número atinja os 1340 processos. Em 2017, registaram-se 335.

A complexidade com que nos estamos a debater exige uma resposta diferenciada”, explicou esta quarta-feira Carlos Cabreiro, diretor da Unidade Nacional de Combate ao Cibercrime e à Criminalidade Tecnológica. “Torna-se mais difícil a recolha de prova e é mais necessária a cooperação internacional. O aumento da complexidade é uma tendência no cibercrime.” Além disso, este ano foi também “melhor definida a classificação de registo dos cibercrimes e alguns casos que estavam noutras categorias passaram para esta”.

Em 2017, o número de burlas comuns praticadas com recurso a tecnologias da informação tinham reduzido. Entretanto em 2018 inverteu-se a tendência e em junho já havia o dobro dos processos (670) registados durante todo o ano de 2017.

A saber, entre todos os cibercrimes as burlas informáticas são as mais frequentes: no ano passado foram 7326 e prevê-se que este ano cheguem às 6536.

As fraudes - que incluem tanto burlas comuns praticadas com recurso a tecnologias da informação como também burlas informáticas - são os cibercrimes mais comuns. Seguem-se as intrusões (acesso ilegítimo, sabotagem informática, por exemplo), a criminalidade sexual contra menores, crimes contra a honra e privacidade, crimes contra a liberdade e crimes contra a propriedade intelectual.

Os dados foram revelados esta quarta-feira numa conferência de imprensa em que a PJ apresentou também os resultados de duas operações de combate ao cibercrime em parceria com a Europol.

A primeira, que decorreu entre 4 e 15 de junho identificou 95 “burlões profissionais” na Internet, responsáveis por mais de 20 mil transações fraudulentas com cartões de crédito. “Tem um valor estimado de oito milhões de euros.” Em Portugal no âmbito desta operação, seis pessoas foram detidas e ficaram em prisão preventiva, e foram constituídos sete arguidos. Visou sobretudo o combate à fraude nos métodos de pagamento e foram apreendidos 12 mil euros em dinheiro, carros, objetos vários, documentos falsos e 700 cartões de crédito por utilizar. “A burla teve um valor de cerca de 205 mil euros”, diz Carlos Cabreiro.

A segunda operação conjunta com a Europol incidiu nos aeroportos e visou detetar especialmente burlas com os bilhetes de viagem e, eventualmente, a utilização de meios de pagamento fraudulentos. “Queríamos perceber se estes crimes estavam de alguma forma relacionados com outros como o tráfico humano e de droga, terrorismo.” Pela Europa registaram-se 334 atividades suspeitas. Em Portugal, foram abertas três investigações e três pessoas foram constituídas arguidas. “No caso português, não temos uma relação estreita com esses outros crimes”, assegurou o diretor da Unidade Nacional de Combate ao Cibercrime e à Criminalidade Tecnológica.