Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Incêndio de grandes dimensões destrói fábrica em Viseu

O primeiro-ministro António Costa garante que há mais meios para 2018 e que as pessoas devem continuar os esforços para limpar as matas

Nuno André Ferreira/Lusa

O fogo, que obrigou ao corte da EN-321 que liga Viseu a Nelas e rodeou a cidade de uma densa e espessa coluna de fumo preto, já foi dominado

Os bombeiros já conseguiram dominar o incêndio que lavra desde a madrugada na Beiragel, uma indústria de congelados em Oliveira de Barreiros, à entrada de Viseu e que está a condicionar a circulação na EN-231, que liga a cidade a Nelas.

No local estão centena e meia de bombeiros, apoiados por 44 viaturas que “conseguiram confinar o incêndio à fábrica, não tendo atingido as indústrias vizinhas”, adiantou a Proteção Civil.

De acordo com o Comando da Proteção Civil “não há feridos a registar” e as operações de supressão e rescaldo “deverão levar uma grande parte do dia”. “São precisas enormes quantidades de água e depois proceder à remoção das estruturas e produtos ardidos. Vai ser uma operação demorada”, precisou a Proteção Civil. Ainda segundo a mesma fonte “não há feridos a registar”.

A empresa emprega 67 funcionários e ocupa uma área de 4 mil metros quadrados, transformando 3200 toneladas de pescado por ano.

As causas do incêndio não estão por apurar, aguardando-se a investigação das autoridades.

O alerta foi dado cerca das 6h19 e obrigou à mobilização de todas as corporações de bombeiros do distrito. No combate às chamas estiveram 125 bombeiros e 41 viaturas.

[Notícia atualizada às 8h50]