Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Cativações na ERS põe em causa fiscalização na Saúde

Foto Rui Duarte Silva

Os efeitos das cativações sentem-se na atividade do regulador que tem 58 funcionários para fiscalizar 27 mil entidades

As cativações na Entidade Reguladora da Saúde (ERS) põe em causa o seu funcionamento e independência. O alerta vem da presidente da entidade, numa resposta a perguntas do grupo parlamentar do CDS, citadas hoje pelo jornal "Público".

Sofia Nogueira da Silva sublinha que "as cativações já registadas este ano e as que poderão ainda registar-se, terão consequências graves para o desempenho das actividades da ERS e comprometem a sua independência”.

O ano passado, a ERS teve cativações que chegaram aos 1,375 milhões, o equivalente a 23% do orçamento. Para este ano estão mais de 761 mil euros cativos. “Para além [das cativações], este ano, para um orçamento de 8,5 milhões de euros, temos um corte orçamental de 1,5 milhões, que representa 30% das despesas com pessoal”, sublinhou também Sofia Nogueira da Silva.

Os efeitos das cativações sentem-se na atividade do regulador que tem 58 funcionários para fiscalizar 27 mil entidades. A ERS ainda não contratou os 27 novos funcionários que estavam previstos para o ano passado e terá adiar a contratação de outros 30 previstos para este ano. Sofia Nogueira da Silva diz que, assim, se cria “verdadeiro efeito de dissuasão no comportamento dos estabelecimentos prestadores de cuidados de saúde”.