Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Professores, funcionários judiciais, guardas prisionais e profissionais da PSP e GNR exigem reunião com Costa

Marcos Borga

Os cinco movimentos associativos exigem a contagem integral do tempo de serviço

Os funcionários judiciais, guardas prisionais, polícias, professores e profissionais da GNR vão deslocar-se na próxima quinta-feira a S. Bento para entregar um pedido de reunião ao primeiro-ministro e à Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública da Assembleia da República.

A decisão foi tomada esta manhã, após representantes sindicais e associativos SFJ, SNCGP, ASPP/PSP, FENPROF e APG/GNR terem-se reunido em Lisboa. Estes profissionais acusam o Governo de querer “eliminar os quase nove anos e meio em que as carreiras estiveram congeladas” e exigem a contagem integral do tempo de serviço que cumpriram.

Em comunicado, os cinco movimentos associativos lamentam que esta matéria tenha sido desvalorizada pelas tutelas “ora justificando com o facto de não ser matéria da sua exclusiva responsabilidade, ora argumentando que a resolução do problema em determinado sector abriria um precedente para os restantes.”

Entretanto, os cinco movimentos associativos vão discutir ações conjuntas que poderão ser tomadas em função das respostas ou da ausência delas por parte da tutela.

“Outras organizações representativas de mais alguns sectores a quem o tempo de serviço que esteve congelado não foi recuperado poderão vir a associar-se a esta frente reivindicativa”, acrescenta o comunicado.

Após a entrega dos pedidos de reuniões está marcada uma conferência de imprensa, pelas 12h, em S. Bento.