Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Uruguai admite apresentar candidatura a Estado-membro da CPLP

AFP Contributor / Getty Images

Rodolfo Nin Novoa, ministro dos Negócios Estrangeiros do Uruguai, mostrou interesse que o Uruguai se torne membro oficial e não apenas Observador Associado na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP). Apesar de não falarem português, o ministro diz que os uruguaios estão “muito vinculados” à língua portuguesa

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Uruguai admitiu esta segunda-feira à Lusa apresentar uma candidatura a membro da CPLP, salientando que apesar de não falar português, existe uma grande afinidade com a língua.

Questionado à saída de um encontro com os embaixadores permanentes dos países lusófonos junto da Comunidade de Países de Língua Portuguesa sobre a possibilidade de o estatuto do Uruguai evoluir de país observador para Estado-membro, Rodolfo Nin Novoa admitiu "não saber bem qual é o funcionamento nem os requisitos", mas disse que era uma possibilidade.

"Quando se entra numa organização como país observador, temos sempre o objetivo de ser membro permanente; não falamos português, mas estamos muito vinculados à língua portuguesa", salientou o chefe da diplomacia do Uruguai à Lusa.

No final da visita à CPLP, no âmbito da visita oficial que realiza a Portugal, Rodolfo Nin Novoa justificou a reunião com os embaixadores devido à "proximidade com um dos mais importantes países de língua portuguesa, o Brasil", que permite ao Uruguai relacionar-se "com muita fluidez com os seus habitantes, a sua cultura, e a sua democracia".

O Uruguai tem o estatuto de Observador Associado desde a XI Conferência de chefes de Estado e de Governo da CPLP, decorrida no final de 2016, em Brasília.

"Só estamos há um ano e meio na CPLP, mas o que nos atrai é a possibilidade de coordenar políticas económicas, culturais, de direitos humanos, de democracia e liberdade, que são a base fundamental da sustentação da paz e segurança internacionais", concluiu o governante.