Siga-nos

Perfil

Expresso

Revista de imprensa

Ana Paula Vitorino: “Se continuarmos por este caminho, o porto de Setúbal deixará de ser viável”

Portugal já está a perder quota para os portos espanhóis e se o diferendo continuar por muito mais tempo, o Porto de Setúbal corre o risco de deixar de ser viável, alerta a ministra do Mar em entrevista ao “Público” e à “Renascença” esta quinta-feira

Ana Paula Vitorino, ministra do Mar, está confiante num desfecho positivo das negociações que está a mediar entre estivadores e administração portuária em Setúbal, mas deixa um aviso no ar: Portugal já está a perder quota para os portos espanhóis e se o diferendo continuar por muito mais tempo, o Porto de Setúbal corre o risco de deixar de ser viável.

“Se continuarmos por este caminho, o Porto de Setúbal deixará de ser viável e ficarão postos de trabalho em causa, empregos directos e indirectos. Estamos a fazer o nosso melhor para mediar. Mas estamos a tomar as medidas necessárias para que os outros portos nacionais possam receber todas as cargas que eram até agora movimentadas em Setúbal”, atira, em entrevista ao “Público” e à “Renascença” esta quinta-feira.

Segundo a ministra, “não é aceitável que exista um tão elevado número de trabalhadores eventuais e que uma infraestrutura como aquela, que serve de suporte para as exportações, prejudique as empresas”.

“Julgo que a solução está muito mais perto do que se possa pensar. Tem que ser um acordo que acabe com a precariedade completamente desregulada no Porto de Setúbal. Existe um acordo de princípio quanto ao número de pessoas a admitir”, diz.

Quanto às críticas do BE e do PCP nas últimas semanas, que já pediram inclusive a sua demissão, a Ana Paula Vitorino atira: “Há uns que tentam resolver o conflito defendendo os trabalhadores e os postos de trabalho e há os outros que se põem numa situação de dizerem sistemática e recorrentemente que pedem a demissão dos ministros”.