Siga-nos

Perfil

Expresso

Revista de imprensa

Taxas de vacinação contra sarampo não garantem imunidade em Lisboa

José Carlos Carvalho

Nos agrupamentos de centros de saúde de Lisboa e do Algarve a cobertura com a segunda e última dose da vacina do sarampo é inferior a 95%

Existe a possibilidade real de um surto de Sarampo em Lisboa e no Algarve, aponta um estudo do Conselho Nacional de Saúde (CNS) que vai ser apresentado esta quarta-feira em Lisboa, num fórum, na Assembleia da República, avança o “Público”. Se a percentagem de crianças vacinadas ao nível nacional contra o sarampo é muito elevada, há ainda grandes disparidades geográficas.

Nos agrupamentos de centros de saúde de Lisboa e do Algarve a cobertura com a segunda e última dose da vacina do sarampo é inferior a 95%, considerada a “percentagem desejável para assegurar a proteção da comunidade contra o sarampo, através da chamada imunidade de grupo”, lembra o estudo.

De acordo com os dados sobre a cobertura vacinal da última dose da vacina contra o sarampo nas crianças que completaram seis anos em 2017, nenhum dos Agrupamentos de Centros de Saúde (ACES) do Algarve tem uma cobertura vacinal superior a 95%.

No ACES do Algarve Central, a cobertura vacinal é mesmo inferior a 90%, tal como nos agrupamentos de centros de saúde da área urbana de Lisboa. Os de Lisboa Norte (85,5%), Cascais (86,7%) e Amadora (88%), revela o matutino.

Com valores inferiores a 95% surgem também os ACES Lisboa Ocidental/Oeiras, Lisboa Central, Loures/Odivelas, Sintra e Almada/Seixal. Na região Centro, o ACES Pinhal Interior Norte regista uma cobertura de 91,7%.

  • Lisboa e Algarve com menos imunidade ao sarampo

    A taxa de vacinação contra o sarampo não garante a imunidade em zonas como Lisboa e Algarve. Os dados são do relatório do Conselho Nacional de Saúde e tornam-se mais relevantes uma vez que nos últimos dois anos houve 3 surtos de sarampo em Portugal. A ministra da Saúde, Marta Temido, diz que está a acompanhar a situação