Siga-nos

Perfil

Expresso

Revista de imprensa

Imobiliário. Cerca de 80% das casas demoram menos de seis meses a ser vendidas

Tiago Miranda

Em 2015, o tempo médio de venda de uma casa era superior a dois anos. Atualmente, um terço dos imóveis demora entre um a três meses a ser vendido, conta o “Público” esta sexta-feira

O mercado imobiliário português continua em ebulição. Se em 2014 e 2015 o tempo médio que uma casa estava no mercado era superior a dois anos, tudo mudou entretanto. Quase 85% das casas que foram colocadas no mercado em 2017 para venda demoraram menos de meio ano a serem vendidas; 37,7 % ficaram entre um a três meses no mercado e 46,67 % entre quatro a seis meses, conta o “Público” esta sexta-feira.

Estas estimativas, que foram cedidas pelo presidente da Associação Portuguesa dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), são importantes para tentar entender qual seria o alcance das iniciativas fiscais que foram anunciadas por Catarina Martins (BE), a dita “Taxa Robles”, se esta fosse aplicada.

Ao nível estatístico, contudo, os números facultados pela APEMIP não permitem diferenciar um proprietário que tem um imóvel há 20 anos e que agora o coloca para venda, com aquele que acabou de o comprar para o vender passados uns meses.

“Em 2014 e 2015 o tempo médio de venda era superior a dois anos. Atualmente, um terço dos imóveis demora entre um a três meses a ser vendido”, disse Luís Lima, líder da APEMIP, em declarações ao matutino. Segundo o mesmo, “a percentagem das vendas em menos de três meses vai aumentar este ano”.

De acordo com os dados da APEMIP, só 4,44% das casas é que ficam no portefólio dos mediadores mais de um ano para serem vendidas. Por outras palavras: a taxar-se pela tabela máxima os proprietários que concretizassem operações de venda num curto espaço de tempo, poucos sairiam ilesos, sublinha o jornal.