Siga-nos

Perfil

Expresso

Revista de imprensa

Dez funcionários do aeroporto de Lisboa foram agredidos nos últimos três meses

© Rafael Marchante / Reuters

Desde outubro do ano passado foram registados 14 casos de agressões a funcionários da Groundforce, sendo que 10 dos quais ocorreram nos últimos três meses

O caos que se faz sentir no aeroporto de Lisboa - e que passa por atrasos, cancelamentos e overbookings - está também a colocar em risco a integridade física dos funcionários. Nos últimos três meses, 10 funcionários da Groundforce, empresa que presta serviço nos check-in, portas de embarque e bagagens, foram agredidos por passageiros descontentes, revela o “Diário de Notícias” esta sexta-feira.

Os últimos casos, relata o matutino, ocorreram há pouco tempo: no sábado, um casal, que viu o seu voo marcado para o Brasil ser adiado para o dia seguinte, puxou da gravata do funcionário que estava no balcão de check-in e pregou-lhe um pontapé no braço; na segunda-feira, uma funcionária foi “agarrada” com força nos braços por um passageiro que disse ser da GNR, e que perdera o voo de ligação ao Porto.

“Os incidentes estão a crescer, quer em frequência, quer em agressividade”, disse Paulo Neto Leite, CEO da Groundforce, ao “DN”.

Em 2017, houve um total de oito casos de agressão, concentrados sobretudo no final do ano, uma vez que até agosto tinham sido registados apenas dois. Desde outubro do ano passado houve 14 incidentes, dez dos quais nos últimos três meses.

Questionada pelo “DN”, a direção nacional da PSP confirmou que desde abril foram feitas 10 detenções “decorrentes de situações em flagrante delito, em que funcionários foram vítimas de ameaça ou/e agressão”.