Siga-nos

Perfil

Expresso

Revista de imprensa

Seca de 2017 fez disparar importações de carvão para valor mais alto dos últimos 11 anos

Preço do carvão disparou em 2016.

MAXIM ZMEYEV/REUTERS

A factura energética de Portugal com o carvão disparou 71% face a 2016, atingindo os 444 milhões de euros

A onda de calor que se fez sentir em Portugal no ano passado provocou também um abalo na produção hidroeléctrica. Ao mesmo tempo que a energia elétrica produzida nas barragens caiu drasticamente, as importações portuguesas de carvão subiram 16%, - para 5,9 milhões de toneladas. Há 11 anos que Portugal não comprava tanto carvão, noticia o “Público” esta sexta-feira.

Graças a este aumento de procura de carvão, a factura do país com esta matéria-prima disparou 71% face a 2016, atingindo os 444 milhões de euros.

Apesar de o aumento de consumo ter sido motivado maioritariamente pela seca, na fatura energética portuguesa de 2017, a análise feita pela Direcção-geral de Energia e Geologia (DGEG) sobre as importações já assinalava “o aumento do peso do carvão” na estrutura global de custos - ao passar de 4,1% para 5,5% do total. O carvão é o terceiro maior recurso utilizado após os produtos petrolíferos e o gás natural.

De acordo com o matutino, a subida da fatura energética explica-se não só com o aumento das importações, mas também com o escalar do preço do carvão. Por exemplo: no ano passado, o valor médio anual foi de 76 euros por tonelada, mais 52% face a 2016.