Siga-nos

Perfil

Expresso

Regiões

Seca à força em Forcadas

Proprietário do terreno onde se encontra a nascente que abastece a aldeia há 39 anos não deu qualquer explicação para o corte da água 

Os habitantes de Forcadas, uma anexa da freguesia de Matança, no concelho de Fornos de Algodres, estiveram cerca de duas semanas sem água. Tudo começou após  António Freitas Amaral  fechar a única nascente, situada na sua propriedade, que abastece a aldeia há 39 anos. Desde então, a autarquia mantinha um acordo com o dono do terreno, que este Verão decidiu mandar fechar a água para «fazer chantagem com a autarquia», garante José Miranda, presidente da Câmara de Fornos.

A situação foi solucionada de forma temporária no passado dia 9 de Agosto através de uma cisterna da Junta de Freguesia, que é abastecida pelo município e ligada depois à rede pública de abastecimento. Contudo, a solução encontrada não parece ser suficiente para remediar o incómodo causado aos cerca de 20 moradores, pois, segundo Maria Costa, uma residente de Forcadas, a água proveniente do veículo «não tem força» e, além disso, está imprópria para consumo, chegando às casas «verde e não dá sequer para cozinhar». A habitante diz também que os moradores estão revoltados com o caso e não encontram motivos para o que está a acontecer, acrescentando terem sido «maltratados» quando foram pedir explicações ao proprietário.

José Penedo, presidente da Junta de Matança, mostrou-se também preocupado com a situação, afirmando que a alternativa do auto-tanque «não é a solução», pois a água «não chega a todas as casas» devido à falta de pressão. Um problema que espera contornar com um motor eléctrico. O autarca desconhece os motivos que levaram António Freitas Amaral a tomar tal medida, já que o dono do terreno não deu «explicações nem fez qualquer tipo de exigências».

Entretanto, prosseguem as negociações para resolver definitivamente o caso. Só que o presidente do município fornense espera que António Freitas Amaral se dirija aos Paços do Concelho para resolver o problema, através da compra ou arrendamento do terreno. José Miranda, por sua vez, avisa que não vai «ceder às chantagens» e sublinha que se não houver acordo terá que se fazer «um furo noutro local». Contactado o proprietário do terreno onde fica a nascente que abastece Forcadas, este recusou-se a prestar qualquer esclarecimento.