Siga-nos

Perfil

Expresso

Regiões

Lisnave forma e dá emprego a jovens

São 14 os novos profissionais, que terminaram "com aproveitamento e um bom nível de qualificação" os cursos de 'Serralharia Mecânica' e 'Operador de Máquinas  e Ferramentas'.

Os primeiros jovens recrutados no âmbito do Plano de Formação da Lisnave já começaram a trabalhar nos estaleiros da Mitrena. Implementado a 13 de Março de 2006, o Plano tem em vista formar cerca de 250 jovens que, ao fim de um ano de aulas teóricas e práticas, passam a trabalhar na Lisnave ou nas empresas de prestação de serviços industriais que com ela têm colaborado. Trata-se de um investimento de €5,9 milhões que vai permitir criar "o novo trabalhador da indústria naval", tal como avançam os responsáveis da empresa. A mesma f onte sublinha que a Lisnave "está a fazer um investimento significativo no futuro da empresa e na criação de mais emprego na região".

O rejuvenescimento dos recursos humanos da empresa é tido por necessário e urgente na Lisnave, já que a média de idades dos trabalhadores do estaleiro da Mitrena se situa nos 50 anos, apresentando eles, ainda, "limitações às características de exigência física da actividade da reparação naval".

O plano «ambicioso» prevê a realização de um vasto conjunto de acções de formação com durações que variam entre os 12 e os 18 meses, a realizar entre 2006 e 2008, destinadas, numa primeira fase, a 246 jovens à procura do primeiro emprego. Está em causa um conjunto de 22 acções, que variam entre as 1.700 e as 2.400 horas de Formação Multidisciplinar.

Já iniciaram formação mais de 110 jovens, sendo que 14 terminaram o curso com aproveitamento, no início do mês de Março. Dado o "bom nível de qualificação" atingida, a Lisnave convidou-os para trabalharem na empresa e foram contratados na categoria de praticante, por um período inicial de um ano.

Constituiu-se, assim, o primeiro núcleo de trabalhadores flexíveis que permitirão à empresa ter "mais condições de competitividade", face aos seus concorrentes. "São trabalhadores mais qualificados, não só em termos de formação escolar, mas também uma formação profissional mais moderna e abrangente", sublinham os responsáveis.