Siga-nos

Perfil

Expresso

Regiões

Enxurradas destruíram margens do rio Este

A complicação mais recente verificou-se nas traseiras da Rua Conselheiro Lobato, junto ao Parque de Exposições de Braga, ameaçando agravar os efeitos de eventuais novas subidas das águas acima do nível do leito.

O rigoroso Inverno tem vindo a agravar a destruição das margens do rio Este ao longo de vários pontos de atravessamento de Braga. E o frágil curso de água continua a receber esgotos em vários pontos da cidade.

Embora esteja prevista uma intervenção de requalificação global ao longo do seu curso citadino, o rio bracarense parece não poder esperar até lá, depois das enxurradas deste Inverno terem destruído parte das suas margens e arrastado os blocos de cimento para o meio do estreito leito, como se verifica no espaço lateral ao Parque de Exposições. Contactada a autarquia, o responsável do Gabinete de Comunicção informou que "a reparação das margens está incluída no projecto global de requalificação" deste curso de água.

Junto ao Parque de Exposições, a fúria das águas galgou por várias vezes as paredes de cimento, escavando-as e acabando por levá-las para o meio do rio, onde se encontram a obstruir o seu normal fluxo. A situação faz algumas empresas, na rua Conselheiro Lobato, temerem pela ocorrência de novas inundações, caso volte chover com maior intensidade. Já na actual situação o rio salta das margens, com maior facilidade e intensidade consoante os obstáculos no seu caminho.

A destruição das margens verificou-se junto ao ponto de atravessamento da Conselheiro Lobato para o Parque de Exposições, tendo sido arrancadas as paredes do canal de cimento de ambos os lados ao longo de duas dezenas de metros, pelo que qualquer nova subida das águas terá como destino provável as garagens da oficina mais próxima ou a residência que se encontra praticamente ao nível do rio.

Descargas de esgotos continuam

Os problemas da degradação das margens não se verificam, porém,  apenas na Conselheiro Lobato. Também a zona a jusante da Avenida Frei Bartolomeu do Mártires se encontra quase totalmente “descalçada” e com alguns rombos bem visíveis, o que faz prever a possibilidade de desmoronamento generalizado perante uma próxima revolta das águas contra quem lhes delimitou o curso.

A realização da intervenção deverá ter que esperar pelo próximo Verão, mas até lá a extensão da destruição poderá ser bastante maior, a não ser que os rombos no betão das margens se insiram num eventual processo de renaturalização do “saudoso” rio bracarense.

Além dos problemas de conservação das margens, o Este continua a ser alvo de descargas ilegais de esgotos em vários pontos da cidade. Além de diversos locais onde o saneamento é encaminhado directamente para o rio a partir da zona da Grundig, continuam a verificar-se pequenas descargas na zona de Ponte Pedrinha, sendo que o caso mais grave continua a ocorrer precisamente na Conselheiro Lobato.

É que a conduta de águas pluviais, que descarrega igualmente no atravessamento para o Parque de Exposições continua a transportar esgoto, supostamente oriundo de antigas ligações ilegais da Avenida da Liberdade e do Fujacal.

Este é um problema recorrente, que se arrasta há vários anos e que continua sem solução à vista para mal do rio Este, que estando praticamente limpo à entrada da cidade, acaba por escurecer bastante durante o seu atravessamento.