Siga-nos

Perfil

Expresso

Regiões

Côja acolhe Fundação Beatriz Valle

O ante-projecto do futuro edifício da Fundação Beatriz Valle e Centro de Estudos e Documentação Fernando Valle, na Quinta da Tapada, em Côja, foi apresentado a 30 de Julho.

No dia em que se assinalaram os 107 anos do nascimento de Fernando Valle, a 30 de Julho, o Conselho Administrativo da Fundação Beatriz Valle e Centro de Estudos e Documentação Fernando Valle apresentou o projecto para um novo espaço na Quinta da Tapada, em Côja, local onde será colocado o espólio que se encontra na biblioteca da residência da família, para que fique ao dispor de toda a população. O projecto, elaborado pelos arquitectos Pedro Mendonça e Miguel Pinheiro, visa a requalificação da quinta que pertenceu a Fernando Valle e inclui um auditório, biblioteca, cafetaria e espaços para workshops, exposições e para administração da Fundação. Para já, a criação deste espaço, que prevê 1200 metros quadrados de construção, está em ante-projecto, e a obra está orçada em cerca de um milhão de euros.

De acordo com o arquitecto Miguel Pinheiro, o objectivo inicial era fazer apenas a requalificação da Quinta da Tapada, mas havia necessidade de criar um espaço físico para instalar a sede da Fundação Beatriz Valle. "O que começou por ser uma abordagem ao edifício existente depressa subiu a sua amplitude", referiu, considerando que este espaço vem também "preencher um vazio que ainda existe no concelho de Arganil, em termos de uma referência arquitectónica e cultural". Durante a apresentação do projecto, o arquitecto Miguel Pinheiro explicou que a Fundação Beatriz Valle e o Centro de Estudos e Documentação Fernando Vale será "um espaço aberto à comunidade, onde as pessoas se podem reunir e assistir a espectáculos". O arquitecto enalteceu o trabalho desenvolvido por Pedro Mendonça, que tem "uma grande ligação emocional e profissional ao concelho de Arganil", advogando que "o conceito está encontrado e este ponto de partida será a base de discussão em termos de licenciamento com a Câmara Municipal". "Quanto mais instituições estiverem envolvidas, mais o projecto é de todos nós", considerou, acrescentando que "esta pode ser a primeira pedra de uma grande obra".

O arquitecto Pedro Mendonça agradeceu em primeiro lugar "o desafio" que lhe foi colocado pela Fundação, afirmando a sua satisfação por ter desenhado o novo espaço, sobretudo porque surge "em torno do Dr. Fernando Valle", que teve o prazer de conhecer. Segundo o responsável pelo projecto, a obra vai albergar "um grande espaço de exposições, uma zona para investigação científica, um anfiteatro e a zona de documentação/biblioteca apoiada por um grande arquivo". "Houve preocupação em abrir o projecto para o exterior", acentuou Pedro Mendonça, acrescentando que "não se consegue imaginar o edifício sem o exterior". Quanto à estrutura central, "pretende criar um espaço de leitura, reflexão e encontro individual e comunitário". Além disso, existem três espaços exteriores, destinadas a acolher diversas iniciativas lúdicas e culturais. "Acredito que este é um projecto excepcional para um enquadramento e programa excepcionais", concluiu.

Mário Valle, um dos membros do Conselho de Administração da Fundação Beatriz Valle, e filho de Fernando e Beatriz Valle, realçou a dimensão do projecto. "Nunca imaginei que o projecto fosse tão belo, tão bem feito", afirmou. Questionado pelo Diário As Beiras sobre uma previsão para o início das obras, Mário Valle afirmou que ainda não é possível adiantar uma data, mas assegurou que "logo que possível" o projecto será estudado pelo conselho de administração e órgãos da Fundação e depois tem de ser apresentado à Câmara".

Ao recordar o seu progenitor, Mário Valle sublinhou que ele foi "conhecido pela sua coerência de vida", uma vez que "trabalhou sempre para os outros, nunca pensando nele". Embora revelando tratar-se de um dia "difícil" para a família, destacou que se reveste de "grande significado", razão que levou a que fosse escolhido para a apresentação do futuro projecto da Fundação. De acordo com Mário Valle, a Fundação e o Centro de Estudos e Documentação Fernando Valle vão albergar "tudo aquilo que ele deixou durante os 104 anos que viveu, espólio que será exposto ao público" e que inclui, entre outras peças, a correspondência que trocou com várias individualidades e a sua biblioteca.