Siga-nos

Perfil

Expresso

Regiões

Carros incendiados avolumam o medo

A madrugada de segunda-feira foi agitada na Quinta da Longra, junto à Estação Agrária, em Viseu: três carros foram incendiados – dois deles totalmente destruídos – e o medo avolumou-se no bairro devido  à destruição de algum equipamento colectivo, em dias anteriores, julga-se que às mãos do mesmo grupo de miúdos.

O alerta para os Bombeiros Voluntários e Municipais de Viseu foi dado cerca das 4h30, dando conta de viaturas a arder na Quinta da Longra. Antes de chegarem ao local, os bombeiros depararam com um contentar de lixo também a a arder ,poucos metros antes do incêndio, na Quinta da Carreira. Para os moradores, tratou-se de uma manobre de diversão.

Quando os bombeiros chegaram já não conseguiram evitar que dois veículos  fossem destruídos. Debaixo da carrinha estava uma palete, em madeira. O terceiro carro estava a uma distância de 50 metros dos que ficaram queimados onde, alegadamente, terá sido colocado um objecto em chamas.

A  Polícia Judiciária de Coimbra, que está a investigar o caso.

“Grupo de miúdos”

Os moradores, apesar de estarem a viver um “sentimento de medo”, reconhecem que não tem havido grandes problemas. No entanto, recordam um incêndio numa habitação geminada por habitar e denunciam “um grupo de miúdos” que “há muito tempo” se concentra naquela zona e “faz barulho toda a noite".

A Câmara de Viseu mostra-se preocupada com este novo fenómeno de vandalismo. Para o vice-presidente da autarquia, Américo Nunes a ocorrência “significa que o reforço da vigilância é uma necessidade”.

Até agora as preocupações prenderam-se com actos de vandalismo ao património municipal, sobretudo "a destruição de sinais de trânsito e de algumas dezenas de contentores de lixo urbano espalhados pelo concelho".  O problema tem-se registado igualmente nos ecopontos. De acordo com os dados fornecidos pela administração do Aterro Sanitário do Planalto Beirão (ASPB), já foi queimada perto de uma dezena de ecopontos nos últimos dois anos, das 274 distribuídos pelo concelho. “É uma situação que não se tem registado em outros concelhos”, adianta fonte do ASPB.