Siga-nos

Perfil

Expresso

Regiões

Algarve equipado com unidade de radioterapia

Agora que está concluída, é tempo de dar nova esperança a quem tem problemas oncológicos.

UMA CASA de esperança recuperada para aqueles que sofrem ou venham a sofrer de problemas oncológicos é como o Governador Civil do Distrito de Faro, António Pina apelidou a Unidade de Radioterapia do Algarve inaugurada na passada semana, em Faro. Com capacidade para mais de 1200 casos oncológicos por ano, dotada com equipamento tecnológico de ponta e contando com o trabalho de duas equipas técnicas, a Unidade de Radioterapia do Algarve foi considerada por todos uma obra que surgiu da luta incansável do presidente da Associação Oncológica do Algarve e médico, Santos Pereira. Constatando que esta é a resposta a uma necessidade para todos evidente actualmente, António Pina lembrou em conjunto com as demais entidades presentes, «que em tempos foi incompreendida», tendo por isso demorado mais de dez anos a ser concretizada.

Recorde-se que esta unidade não teve qualquer comparticipação estatal, tendo contado com a comparticipação de todos os municípios algarvios em cerca de 681 mil euros, algumas ajudas de associações sem fins lucrativos e através de uma candidatura a fundos europeus através de um protocolo transfronteiriço, que totalizaram os dois milhões de euros necessários para a sua construção. «E foi assim que este sonho se tornou realidade», desabafou com satisfação Santos Pereira, após ter recordado os inúmeros entraves que defrontou durante uma década, e para os quais sugeriu que fosse iniciado algum tipo de investigação. Mas os sonhos da Associação não se ficam por aqui.

Na passada semana, a Câmara Municipal de Faro - que já havia cedido o terreno para a construção da Unidade de Radioterapia - assinou os documentos referentes à cedência de um terreno adjacente à unidade, onde se pretende construir um edifício onde os utentes poderão pernoitar durante os tratamentos.

Importa ainda referir que a unidade está a funcionar desde o passado dia 5 de Junho e está a ser explorada pela clínica privada «Quadrantes», sendo o tratamento garantido aos utentes nas condições usuais do Serviço Nacional de Saúde, graças a um acordo celebrado entre a clínica e o Ministério da Saúde.