Siga-nos

Perfil

Expresso

Regiões

Algarve cativa espanhóis

O turismo algarvio está a crescer com uma mãozinha de ‘‘nuestros hermanos’’ E não é certamente pelo preço da gasolina que atravessam a fronteira para visitarem o Algarve.

Depois de em 2006 terem passado pelos alojamentos oficiais da região cerca de 251 mil turistas de Espanha (e outros tantos pelos alojamentos alternativos), o número de turistas do país vizinho que visitaram o Algarve nos primeiros seis meses deste ano já cresceu 17,5%.

As estatísticas reveladas na semana passada pelo Instituto de Turismo de Portugal (ITP) colocam mesmo Espanha como o mercado emissor que mais cresceu no primeiro semestre de 2007 e o que tem a segunda taxa de crescimento mais elevada dos últimos dez meses, logo atrás dos britânicos, cujo crescimento ascendeu aos 10,5%.

Assim sendo, os responsáveis pelo sector turístico algarvio não têm dúvidas em apontar o aumento do contingente espanhol como factor determinante para o aumento de 9,1% das receitas turísticas que se verificou no primeiro semestre de 2007, em relação a igual período do ano passado.

‘‘Em valores acumulados, desde Novembro, o mercado britânico tem sido o principal responsável pela subida verificada nas ocupações de camas. Mas é também de realçar o mercado espanhol, que foi o segundo que mais subiu em valores acumulados’’ realça, por sua vez, a Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA).

De acordo com o ITP, nos primeiros seis meses do ano, o número de dormidas de estrangeiros na região algarvia registou uma subida de 4%, em comparação com o mesmo período de 2006, destacando-se claramente o mercado espanhol, cuja taxa de crescimento ascendeu aos já referidos 17,5%.

Gastronomia e preços baixos cativam espanhóis

Segundo este instituto, ‘‘os principais mercados emissores de turistas para o Algarve continuam a ser o Reino Unido, Alemanha e Espanha’’. Relativamente ao número de hóspedes, os espanhóis já surgiram em terceiro lugar no passado mês de Junho, com 6,2%. Na liderança permanecem os britânicos (35,3%), seguidos dos portugueses (31,7%).

Analisando os dados turísticos de 2006, o Jornal do Algarve concluiu que os meios de alojamento classificados oficialmente na região registaram cerca de 780 mil dormidas de turistas espanhóis.

Segundo apurámos, através do balanço anual da AHETA, o número de hóspedes espanhóis não tem parado de aumentar de ano para ano. Entre os anos 2000 e 2005, a sua procura por Portugal cresceu a uma taxa média anual de 8,1%. Em 2006, os turistas de Espanha que dormiram no Algarve chegaram aos 251 mil, contra os 219 mil verificados em 2005, e os 148 mil registados em 2004. Ou seja, no espaço de dois anos, o número de hóspedes espanhóis nos estabelecimentos hoteleiros do Algarve aumentou 41%.

Mas a que se deve esta súbita apetência pelo Algarve? ‘‘Não é certamente pelo preço da gasolina’’, refere sorridente ao nosso jornal, Lorena Diaz, 35 anos, natural das Canárias. ‘‘No último ano, houve uma promoção muito grande de Portugal em Espanha, como nunca se tinha visto antes, e com preços muito bons’’, salienta a jovem, que repartiu a sua semana de férias entre Lagos e Sagres. ‘‘A verdade é que antes nós não tínhamos nenhuma informação sobre o Algarve, nem tão pouco havia publicidade para nos aliciar a visitar a região’’, sublinha Lorena.

Entre as vantagens do Algarve sobre o sul de Espanha, a jovem destaca ‘‘a saborosa gastronomia algarvia e os preços mais baixos’’, excluindo naturalmente os combustíveis. Por outro lado, adianta, ‘‘a paisagem do Algarve ainda consegue ser mais natural que a de Espanha’’.

Em declarações esta semana ao Jornal do Algarve, o presidente da Região de Turismo do Algarve (RTA) confirmou que o mercado espanhol é, neste momento, considerado ‘‘prioritário’’ para a região. ‘‘Foi iniciada uma campanha muito forte no ano passado, ainda antes de eu entrar para a direcção da Região de Turismo, especialmente dirigida ao mercado madrileno. Pelos vistos, esta campanha está a resultar e já é um sucesso’’, frisou António Pina.

Segundo o novo líder da RTA, a época baixa do Algarve poderia mesmo acabar de vez ‘‘se conseguíssemos conquistar os 80 mil golfistas que existem à volta de Madrid’’.

Ainda de acordo com António Pina, a partir de 2008, a campanha promocional do Algarve em terras espanholas será reforçada, através da Associação de Turismo do Algarve (ATA). ‘‘Vai ser feita uma forte aposta no mercado da Andaluzia e da Galiza, para além de Madrid’’, revelou o presidente da região de turismo, salientando que ‘‘estes turistas não precisam de usar os voos low-cost para se deslocarem ao Algarve, o que é uma grande vantagem competitiva’’.

Feiras internacionais ajudam na promoção

O segredo destas campanhas, acentuou António Pina, é ‘‘lançar o ataque em várias frentes’’. E explicou: ‘‘Temos de desenvolver mais acções junto das agências de viagens e de jornalistas que trabalham na área do turismo, para além de outras campanhas mais directas ao consumidor, como publicidade nas ruas e meios de comunicação de Espanha’’.

Um dos concelhos da região que mais tem apostado no mercado espanhol é sem dúvida Albufeira. No final de Março, o município algarvio participou na Feira da Andaluzia de Turismo e Desenvolvimento Rural (FERANTUR), em Sevilha. No mês seguinte, Albufeira também marcou presença no Salão Internacional de Turismo da Catalunha, que se realizou em Barcelona. Ainda este ano, no último fim-de--semana de Setembro, a cidade de Sevilha voltará a receber uma feira com a participação do concelho algarvio, mas desta vez será dedicada exclusivamente à promoção do destino turístico Albufeira.

‘‘Trata-se de três feiras turísticas muito importantes realizadas em Espanha que são dirigidas ao consumidor final’’, salienta a autarquia, que considera ‘‘muito positiva’’ a sua participação nestes eventos promocionais.

Após a participação na última feira turística, realizada em Barcelona, o presidente da câmara municipal de Albufeira, Desidério Silva, afirmou que ‘‘foi aberta uma porta muito importante, uma vez que Espanha é um dos gigantes mundiais a nível de turismo’’. O autarca referiu também que esta é uma aposta muito forte ‘‘na medida em que Espanha atravessa um momento de grande pujança económica e que Portugal, o Algarve e Albufeira, devem procurar tirar proveito desta situação’’.