Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Seguro reeleito líder do PS

Com 24.843 votos, correspondentes a 96,53% da votação, António José Seguro foi reeleito líder do Partido Socialista.

António José Seguro foi reeleito no sábado secretário-geral do PS com 96,53 por cento, correspondente a 24.843 votos, contra 3,46 por cento do militante socialista Aires Pedro, que obteve 892 votos, segundo dados oficiais hoje divulgados pelo PS.

De acordo com os mesmos dados da Comissão Organizadora do Congresso (COC) do PS, num total de 790 secções, estão ainda por apurar resultados em 54.

Num universo de 43.034 militantes com capacidade eleitoral (quotas pagas), até ao momento votaram nas 736 secções já apuradas 26.725 membros do partido, o que corresponde a uma participação eleitoral na ordem dos 62,1 por cento.

Nas eleições diretas de sábado para o cargo de secretário-geral do PS, registaram-se 303 votos nulos e 687 brancos.

Na eleição de delegados para o XIX Congresso Nacional do PS, que se realiza entre 26 e 28 deste mês em Santa Maria da Feira, a lista da moção afeta a António José Seguro, elegeu 1.702 (99,3 por cento) e a lista da moção de Aires Pedro 12 delegados (0,7 por cento). A COC refere que estão ainda por eleger 88 delegados.

Numa nota, fonte da direção do PS salienta que António José Seguro conseguiu agora mais votos do que há dois anos, quando defrontou em eleições diretas o ex-líder parlamentar socialista Francisco Assis.

Nas últimas eleições diretas, a 24 de julho de 2011, António José Seguro foi pela primeira vez eleito secretário-geral do PS com 23.903 votos, correspondentes a 67,98 por cento, contra 11.257 do candidato adversário, Francisco Assis, percentagem de 32,02. Registaram-se também 216 votos brancos e 151 nulos.

Na eleição de delegados para o anterior Congresso Nacional do PS, que se realizou em setembro de 2011, em Braga, as listas subscritas por António José Seguro conseguiram uma vantagem ainda maior do que na eleição do secretário-geral, já que venceram por larga margem em todas as federações do país, incluindo no Porto, considerado então um bastião de Francisco Assis.

Num total de 1.857 delegados, as listas de Seguro elegeram 1.346 delegados, contra 511 de Francisco Assis.