Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Passos Coelho. Dados do INE sobre risco de pobreza "não refletem situação atual"

Para o chefe do Executivo, a "fase mais difícil" já passou

Estela Silva/Lusa

Números são o "eco daquilo por que passámos", diz o primeiro-ministro, a propósito dos dados do Inquérito às Condições de Vida e Rendimento. O risco de pobreza continuou a aumentar em Portugal em 2013, diz o INE, afetando já quase dois milhões de portugueses.

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, considera que os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) sobre o risco de pobreza são um "eco" do que o país passou, mas não refletem a situação atual.

"A notícia divulgada pelo Instituto Nacional de Estatística é um eco daquilo por que passámos, não é a situação que vivemos hoje, reporta àquilo que foi a circunstância que vivemos, nomeadamente em 2013 que foi, talvez, o ano mais difícil em que o reflexo de medidas muito duras tomadas ao longo do ano de 2012 acabaram por ter por consequência", afirmou Pedro Passos Coelho este sábado, em Fátima, distrito de Santarém.

O risco de pobreza continuou a aumentar em Portugal em 2013, afetando já quase dois milhões de portugueses, de acordo com os resultados do Inquérito às Condições de Vida e Rendimento divulgados pelo INE.

Segundo os dados tornados públicos, 19,5% das pessoas estavam em risco de pobreza em 2013 face aos 18,7% do ano anterior, apesar de ter existido um aumento dos apoios sociais às situações de doença e incapacidade, família ou desemprego.

As pensões de reforma e sobrevivência contribuíram para um decréscimo do risco de pobreza em 21,0 pontos percentuais, sendo que, segundo o INE, sem estas prestações e sem os apoios sociais 47,8% da população residente em Portugal estaria em risco de pobreza em 2013.

 

Muito trabalho e criatividade

Discursando num almoço com os órgãos sociais da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS), o chefe do Executivo referiu que nessa altura "muitos dos beneficiários, muitos dos utentes, das famílias que suportavam uma parte dos apoios que eram canalizados para estas instituições viram-se numa situação de maior vulnerabilidade também".

"Foi indispensável, portanto, recorrer a muita criatividade, a muito trabalho de ampla generosidade destas instituições e, também, a um reforço de meios que o Estado teve de colocar à sua disposição para que pudéssemos ter preservado a coesão social", declarou Passos Coelho.

Admitindo que "durante esses anos" houve "um risco de pobreza maior" e "setores sociais que ficaram mais pobres", o primeiro-ministro realçou que o país conseguiu "passar por esse processo sem aumentar as clivagens, as assimetrias na forma como os rendimentos estão distribuídos".

"Tivemos menos rendimentos todos, mas não tivemos mais dificuldades na forma como eles estavam distribuídos, tivemos até, em alguns aspetos, aqueles que tinham maiores rendimentos a dar um contributo maior do que aqueles que tinham menos", assinalou Pedro Passos Coelho.

Para o chefe do Executivo, apesar de a "fase mais difícil" ter ficado ultrapassada, "ainda há riscos" que precisam de ser olhados "com muita atenção".

"O facto de o pior ter passado não quer dizer que não haja pessoas que estejam hoje ainda muito carenciadas, famílias que passam por grande vulnerabilidade", reconheceu Passos Coelho, apontando a "taxa de desemprego demasiado elevada" ou "pessoas que vivem em bolsas de pobreza que precisam da ação do Estado e da ação das instituições sociais".