Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

"O Presidente está vinculado com a atual solução política"

José Sócrates nega querer regressar à vida política e acusa o Presidente de lhe ter feito oposição. Na entrevista dada à RTP, o antigo primeiro-ministro considera "urgente parar com a austeridade".

22h38 - Ninguém tem de ter medo dos meus comentários. O meu regresso é apenas para, na medida das minhas possibilidades, tomar palavra e contribuir para a diversidade do debate político

22h36 - Tenho uma única conta bancária há mais de 25 anos... e a primeira coisa que fiz foi pedir um empréstimo para ir estudar em Paris. Ao contrário do que foi dito, é mentira que tenha uma vida de luxo em Paris.

22h34 - Quando perdi as eleições achei que era o momento de cumprir o sonho antigo de viver no estrangeiro, estudar, e recuperar o tempo junto dos meus filhos.

22h32 - O dever dos governantes é traçarem um rumo.

22h30 - Alterar o discurso político também é preciso.

22h29 - Este Governo tem um problema de comando e de direção política. Não vejo condições para que desenvolva o que é preciso fazer. Chumbo no TC, a acontecer, quererá dizer muito e será gravissimo.

22h28 - Sobre o BPI, com a informação que dispunha na altura, achei que o melhor era privatizar.

22h26 - Nunca devia ter formado um Governo minoritário. Não o teria feito se soubesse que ia haver uma crise das dívidas soberanas

22h26 - O déficit deste ano e do ano passado... este Governo só fez austeridade, o que provocou a quebra das receitas...

22h23 - Os encargos futuros que deixei - 19 mil milhões de euros - são inferiores aos que recebi

22h22 - História das PPP's está muito mal contada. Existem 22 PPP's rodoviárias. Eu lancei oito.

22h20 - Não reconheço que tive uma política despesista.

22h15 - Ninguém adivinhou esta crise.

22h14 - Algum partido se opôs a isso? A líder do PSD, Manuela Ferreira Leite, achou bem o que estavamos a fazer.

22h11 - Em 2009 tínhamos uma doutrina na europa: precisamos de aumentar o poder de compra, aguentar a crise, apoiar as famílias... Foi nessa circunstância que decidi que devíamos aumentar os funcionários públicos.

22h06 - A dívida pública entre 2008 e 2010 subiu 22 pontos percentuais, num período excecional. Entre 2005 e 2008 subiu cinco pontos. Entre 2010 e 2012 subiu 30 pontos.

22h04 - O que se deve fazer? O país tem a urgente necessidade de parar com a austeridade. Paremos com esta loucura.

22h01 - Corte do 13º mês e dos subsídios não estava no memorando. A decisão de ir mais além foi do Governo.

21h57 - As consequências da crise estão à vista. O terceiro embuste é o dizerem que estão apenas a aplicar o memorando assinado pelo Governo anterior. A verdade é que estão a aplicar o dobro da austeridade prevista.

21h56 - O que ganhou o país com a crise política?

21h54 - É sabido que não gostei da declaração do ministro das Finanças. Mas no almoço com Mário Soares já tinha decidido que tinha de ser feito o pedido de ajuda externa.

21h50 - Olhando para trás digo que, lamentavelmente, muitas das instituições políticas baixaram os braços. A oposição achava que não havia problema nenhum em pedir ajuda externa.

21h48 - Sempre me opus ao pedido de ajuda internacional.

21h46 - O senhor Presidente esteve na origem desta solução política, por isso como pode agora fazer alguma coisa? Ele está vinculado com ela.

21h44 - O Presidente teve conhecimento do PEC 4 ao mesmo tempo que todos os portugueses. As linhas gerais foram apresentadas, mas nesse dia não houve nenhuma aprovação.Se o Presidente queria intervir, teve todo o tempo para o fazer. Mas ele não quis. Ele fez tudo para haver uma crise política, que de certa forma foi provocada pelo seu discurso.

21h42 - A execução orçamental de 2011 estava a correr bem.

21h41-O Presidente sempre usou dois pesos e duas medidas, em relação ao Governo anterior e ao atual.

21h36-O senhor Presidente acusou-me de deslealdade. Acho extraordinário o seu comportamento. Faz-me uma crítica por escrito um ano depois de eu estar afastado, o que diz muito... Não reconheço nenhuma autoridade moral para me acusar de deslealdade. Recordo dois episódios: a conspiração organizada contra o Governo, baseada na acusação de que o Governo estaria a espiar a casa Civil do Presidente da República... e da qual o Presidente nunca se demarcou. E há um segundo momento, na tomada de posse em que é feito um discurso salientando as dificuldades do país, mas esquecendo qualquer referência à realidade de crise internacional

21h35-Havia muita gente que podia não acreditar no PEC 4. Mas a quem interessava garantir o seu apoio? O apoio do BCE e da Comissão Europeia estava garantido.

21h32-Não é verdade que não tenha procurado envolver o PSD no PEC 4. Nós apresenta-mo-lo publicamente e depois disponibilizei-me, durante duas longas semanas, para o discutir.

21h29-Não foi o anterior Governo que obrigou ao pedido de ajuda, mas a crise politica e o chumbo do PEC 4".

21h28-Assumo as responsabilidades de comandar uma governação que pretendeu enfrentar essa crise.

21h27-A ideia de que os estados provocaram a crise por causa do seu endividamento não resiste à análise dos factos

21h25- Tinhamos um déficit educativo muito forte. No energético também e por isso passei a vida a dizer que tínhamos de apostar nas energias renováveis

21h23-A crise financeira e económica internacional já existia. O primeiro embuste foi dizer o contrário.

21h21-A questão da responsabilidade está inerente à governação. Só não comete erros quem não se candidata à ação. Aceito as responsabilidades que tenho, mas não as que os maeus adversários me querem atribuir. Não aceito a responsabilidade de ter deixado o país às mãos da troika

21h19-A direita sempre fez da disputa política uma disputa pessoal. Usar o insulto e o ataque pessoal é o que há de pior na política [a propósito da acusação que lhe foi feita de "falta de vergonha"]

21h17- O PS procurou concentrar-se nas respostas a dar e compreendo essa atitude

21h16 -A narrativa apresentada ao país, e sem oposição, a narrativa da direita não está de acordo com os factos históricos. Fui alvo de críticas e de responsabilidades que me querem imputar...

21h14 - Fico muito perplexo quando vejo o comportamento de políticos, que acham normal os comentários de ex-líderes do PSD,e assim que um ex-líder do PS aceita fazer um comentário também... aqui d'el rei. Não aceito essa cultura democrática.

21h11 - Nem candidato a Belém, nem candidato a coisa nenhuma. Só quero afirmar o meu dever de cidadão e apresentar a minha versão dos factos

21h10 -Não tenho nenhum plano para regressar à vida ativa do país. Saí em 2011, afastei-me e remeti-me a um silêncio que, penso, podia contribuir para a política ser seguida sem qualquer restringimento

21h08 -Há um tempo para tudo na vida. este é o tempo para tomar a palavra. Pretendo tomar a palavra, que é um direito e no meu caso, considero até,um dever. Devo dar minha visão sobre o passado recente e a atualidade do país.

20h01 -Um grupo de apoiantes esperava também José Sócrates

Tiago Miranda (foto enviada por telemóvel)

19h47 - À porta da RTP, onde José Sócrates chegou cerca das 19h, um manifestante protesta contra o antigo primeiro-ministro

Tiago Miranda (foto enviada por telemóvel)