Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Marcelo diz que Sócrates continua a pensar nas presidenciais

Marcelo Rebelo de Sousa considera que a entrevista de José Sócrates foi muito eficaz, trazendo de volta uma "política a cores" e de "emoção". Para o professor, o ex-primeiro ministro continua a pensar numa candidatura às presidenciais.

O professor Marcelo Rebelo de Sousa disse hoje, no seu comentário semanal na TVI,  que José Sócrates mostrou estar em boa forma na entrevista que deu à RTP e que apesar de negar continua a pensar nas eleições presidenciais.

Segundo o professor, Sócrates é um ótimo comunicador, que traz de volta uma "política a cores" e de "emoção", ao contrário da política "xoxa" de hoje em dia.

"Ele tem a intenção política à flor da pele, mas fala muito e não pode ser tanta defesa e propaganda própria, como nesta entrevista que foi grande parte para justificar o passado", afirmou.

O ex-presidente do PSD considera que a entrevista de José Sócrates foi muito eficaz, no entanto, verificaram-se três invenções: o primeiro embuste, diz Marcelo,  foi Sócrates dizer que a crise não era interna, mas internacional, quando na verdade era as duas cosias; o segundo era ele dizer que foi responsável pelo memorando, quando Passos Coelho e Paulo Portas é que chumbaram o PEC IV e o terceiro era criticar a austeridade, quando algumas das medidas chegaram a ser assinadas pelo próprio, como o corte nas pensões e nas taxas moderadoras.

"Governo não dá esperança"

Sobre as críticas ao Governo, Marcelo diz concordar em parte com o ex-primeiro-ministro, quando este diz que o discurso do Executivo não dá esperança às pessoas. 

Ao contrário do que tem sido veiculado na comunicação Social, Marcelo Rebelo de Sousa diz, no entanto, acreditar que o regresso de José Sócrates não vai prejudicar Seguro.

"Eu acho que Sócrates vai condicionar António José Seguro, porque é mais eficaz e contudente, mas também vai ser útil para ser o polícia mau e Seguro ser o polícia bom", defendeu.

"Sócrates continua a lançar um balão para uma candiatura presidencial"

"Quem vai pagar a fatura é o Governo e o Presidente da República, mas sobretudo o Governo. Ele está ali para combater a direita e não a esquerda e mostrar o que faria se fosse primeiro-ministro", acrescentou.

Questionado sobre se José Sócrates será candidato presidencial, o professor diz que o ex-primeiro-ministro continua a pensar nas eleições, estando já a fazer política.

"Sócrates veio para reunificar a esquerda, com um discurso entre o PS, o PCP e BE, criando um clima para uma clivagem direita-esquerda que tem virtualidades para as presidenciais", afirmou Marcelo.

"Sócrates continua a lançar um balão para uma candiatura presidencial", rematou.