Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

'Grandolada' ao ministro da Saúde na Universidade do Porto

Quando Paulo Macedo se preparava para discursar na Faculdade de Medicina, um grupo de pessoas entoou "Grândola Vila Morena" e gritou palavras de ordem.

Um grupo de pessoas entoou hoje o "Grândola Vila Morena" no momento em que o ministro da Saúde, Paulo Macedo, ia discursar no Porto, no âmbito de uma conferência-debate sobre o sistema de saúde para além de 2014.

No preciso momento em que o ministro da Saúde iria discursar num debate na Aula Magna da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, um grupo de pessoas cantou a música de José Afonso, "Grândola Vila Morena", prosseguindo depois com várias palavras de ordem.

"Governo para a rua", "Ao contrário do que dizem estão a assassinar os portugueses", "Os reformados não têm dinheiro para medicamentos" ou a "luta continua" foram algumas das palavras proferidas pelos manifestantes.

Depois de alguns minutos de prostestos, o grupo de pessoas calou-se e o ministro da saúde retomou o discurso na Aula Magna da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto.

O ministro da Saúde participa hoje na primeira sessão da Conferência-debate sobre o sistema de saúde para além de 2014.

Paulo Macedo foi recebido pela Tuna da Faculdade de Medicina
1 / 5

Paulo Macedo foi recebido pela Tuna da Faculdade de Medicina

No preciso momento em que o ministro da Saúde se preparava para discursar, um grupo de pessoas cantou "Grândola, Vila Morena"
2 / 5

No preciso momento em que o ministro da Saúde se preparava para discursar, um grupo de pessoas cantou "Grândola, Vila Morena"

Paulo Macedo assistiu impávido ao protesto
3 / 5

Paulo Macedo assistiu impávido ao protesto

Depois de cantarem, algumas pessoas gritaram palavras de ordem como por exemplo: "Governo para a rua" e...
4 / 5

Depois de cantarem, algumas pessoas gritaram palavras de ordem como por exemplo: "Governo para a rua" e...

... "Os reformados não têm dinheiro para medicamentos" ou a "luta continua"
5 / 5

... "Os reformados não têm dinheiro para medicamentos" ou a "luta continua"